Psiquiatria: ABP prova maturidade política.

O trabalho de valorização e resgate da importância do trabalho médico envolve várias entidades profissionais e muitas frentes de luta. Nesses campos de atuação vale mostrar o exemplar trabalho que foi desenvolvido pela ABP – Associação Brasileira de Psiquiatria – na gestão de João Alberto Carvalho. Seu trabalho provou o grau de maturidade política alcançado por aquela associação profissional.


Entre todos os trabalhos desenvolvidos pela ABP, cumpre-nos destacar três frentes de luta e de ação que provam essa maturidade política.

Primeiro, o programa ABP-Comunidade, destinado ao esclarecimento das pessoas, de usuários de serviços públicos de saúde e da saúde suplementar e formadores de opinião, sobre a questão da doença mental, seu impacto e suas conseqüências. A promoção da saúde mental por meio de eventos e palestras gratuitas já está atingindo dezenas de milhares de interessados. O programa, criado em 2004, está se expandindo com o apoio das federadas da ABP.

Uma segunda frente que não pode ser depreciada é a Comissão de Acompanhamento de Políticas Públicas, que tem por objetivo conhecer e apreciar a atividade parlamentar no que diz respeito ao campo de conhecimento da Psiquiatria. Essa frente desenvolve inclusive ações de defesa profissional contra grupos corporativos que trabalham com a perspectiva de desmoralizar ou desacreditar a Psiquiatria enquanto conhecimento e especialidade médica. Esses grupos são inspirados por noções de natureza religiosa ou por interesses econômicos e de hegemonia dentro do serviço público, sempre escorados em fraseologia radical com paupérrimo lastro científico, ético ou filosófico. Consideramos o que é mais importante: o trabalho parlamentar não é apenas defensivo. Mais importante: tem um grande potencial propositivo, de aperfeiçoamento dos serviços públicos que respondem pela atenção a pessoas com doenças mentais.

Um terceiro ponto, não menos importante, é o atestado do Ministério da Saúde sobre a importância da colaboração da ABP na formulação de políticas públicas. A Associação Brasileira de Psiquiatria terá representatividade em grupos de trabalho que irão discutir Saúde Mental em Hospitais Gerais. O Ministério da Saúde pretende implantar leitor e sugerir medidas e estratégias para sua expansão e qualificação. A comissão deve dar um parecer ainda em 2008. A ABP e o Ministério ainda serão parceiros em duas comissões: uma de residência médica e outra sobre atenção básica e saúde mental.

Está de parabéns a gestão da ABP pela suas ações pelo aperfeiçoamento da Psiquiatria brasileira e pelo aperfeiçoamento dos cuidados aos portadores de doenças mentais no sistema público de saúde. Esperamos que as próximas gestões da ABP dêem maior atenção à integração de seu trabalho com outras entidades médicas, como a FENAM - Federação Nacional dos Médicos - órgão de representação classista da categoria profissional - e o Conselho Federal de Medicina.

Comente ou deixe um trackback: URL do Trackback.

Comentários

  • Eduardo Fróes  On 1 -dezembro- 2008 at 1:10 pm

    Todo este trabalho da Medicina, em se tratando de Pisiquiatria, será mais abrangente quando dogmas absurdos cairem por terra, como alguns já cairam, mas outros tantos se sustentam na influente e poderosa mística religiosa, que tanto atrazo trouxe, e ainda trás, a toda a HUMANIDADE, principalmente em portadores de distúrbios mentais, pois 90% dos portadores de distúrbios ou doenças mentais são MÉDIUNS que a medicina materialista e as religiões ignoram.
    Mas por muinto, muinto pouco tempo!
    Mais de 90% das doenças mentais dos seres humanos tem origem na sua psíque, os outros 10% são individuos que por necessidade evolutiva já vem com determinações de passarem por aqueles distúrbios para evoluirem.
    Só para ilustrar, com um exemplo o acima exposto, as pessoas que tem problemas de saúde e precisam passar por Hemodiálise, estes seres são seres que em encarnações pregressas estragaram sua saúdecom vícios, principalmente o da BEBIDA…
    Um precioso livro esclarecedor, será lançado em 2009, por um simples estudande do além, grandioso e belo, que foi (DES)tratado pela medicina materialista e foi subjulgado pela igreja católica.
    Usando o raciocínio de William Shakespeare que dizia haver “mais mistério entre o céu e a terra do que sonha nossa vã filosofia” eu digo que continuam a existir, mas entre o universo e a terra.
    O que não é mais mistério são os interesses das classes em quetão.
    Sigam o exemplo de tratamento de distúrbios mentais da saúde pública da Holanda(país).
    “QUANTO MAIS PERSEGUIDO, MAIS ESCLARECIDO!”
    Eduardo Fróes 66

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: