Denunciado Prefeito que cortou salários de médicos.

====================================
-.- TELEGRAMA SINDICAL N°.183-.-
====================================
Sindicato dos Médicos de Juiz de Fora
17 de outubro de 2009.
-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-

.-.-.- O IMPEDIMENTO DE CUSTÓDIO .-.-.

PRECARIZAÇÃO: A CRISE GERADA PELA AMAC EVOLUI PARA A DENÚNCIA DO PREFEITO CUSTÓDIO DE MATOS (PSDB-MG) POR IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA.

O Ministério Público denunciou por improbidade administrativa o Prefeito Custódio de Matos (o Twitter do Fax Sindical – http://www.twitter.com/faxsindical – divulgou ontem em primeira mão). Foi resultado da AMAC, instituição criada pela Prefeitura para precarizar serviços públicos e agências de assistência social. O Sindicato dos Médicos tem denunciado o Prefeito CUSTÓDIO DE MATOS por sua DECISÃO CRUEL de CORTAR SALÁRIOS dos médicos que participaram de protestos contra má remuneração e deterioração das condições de trabalho. A imprensa de Juiz de Fora tem publicado matérias sobre a deterioração da rede pública de saúde em Juiz de Fora. O Sindicato luta na JUSTIÇA contra a decisão do Prefeito CUSTÓDIO DE MATOS de CORTAR SALÁRIOS de médicos. A medida teve claro caráter de REPRESSÃO E INTIMIDAÇÃO contra um MOVIMENTO LEGÍTIMO da classe médica.

NEGOCIAÇÕES COLETIVAS 2009 COM A PREFEITURA DE JUIZ DE FORA. SINDICATO É CONTRA TODA FORMA DE PRECARIZAÇÃO DO SUS. SAÚDE É SERVIÇO PÚBLICO.

Em reunião realizada ontem, na Escola de Governo da Prefeitura, o Secretário Geral do Sindicato dos Médicos de Juiz de Fora, Dr. Geraldo Sette, deixou claro à Secretária de Saúde, Maria Rute dos Santos, à subsecretára de Atenção Básica e aos médicos de saúde de família e comunidade presentes a posição do Sindicato, totalmente contrária à precarização do SUS e, portanto, contra as OS (organizações sociais). Também informou que, conforme acordo entre Prefeitura e Sindicato, ratificada por Assembléia Geral dos Médicos em 11 de julho, está em andamento a construção de um PCCS para TODOS os médicos da Prefeitura, o que inclui o PSF.

A primeira reunião da Comissão que vai tratar da questão do pessoal de saúde que trabalha na urgência e emergência aconteceu hoje, 16 de outubro. Estava agendada para o dia 14, mas houve adiamento. Aproveitando o adiamento representantes do Sindicato dos Médicos e do SINSERPU acertaram seus posicionamentos a respeito da expectativa das categorias profissionais sobre a situação atual. INFORMAMOS MAIS UMA VEZ QUE AS GRATIFICAÇÕES DENOMINADAS PENOSIDADES NÃO SE INCORPORAM PARA FINS DE APOSENTADORIA, BENEFÍCIO OU EM CASO DE AFASTAMENTO DO FUNCIONÁRIO DE SERVIÇO DE URGÊNCIA, INDEPENDENTE DO TEMPO QUE TENHA LÁ ATUADO. Não procedem informações em contrário.

A comissão que vai tratar do PCCS de TODOS os MÉDICOS da Prefeitura vai se reunir no dia 21 de outubro. Informamos que o ACORDO feito entre Sindicato e a Prefeitura, que é no interesse público, não prevê, em nenhum momento, admissão de mão de obra para os serviços públicos do Município, inclusive (OBVIAMENTE) o SUS, por meio de PRECARIZAÇÃO. Ou seja, não consideramos qualquer possibilidade de DISCUTIR a inclusão de médicos que vão atuar em equipamentos públicos locais de saúde por sistemas como ONGs, organizações sociais e outros. A experiência no Brasil, desde os tempos do PAS de Paulo Salim Maluf, tem sido de que essas ONGS e similares, podem ser fonte de corrupção e ineficiência, além de ser alvo de ações judiciais, como é o caso que estamos assistindo na AMAC.

Aposentadoria especial. Esclarecimentos sobre a questão.

No governo de Fernando Henrique Cardoso houve uma reforma previdenciária que fez desaparecer o direito do funcionário público à aposentadoria especial. Naquela ocasião o Governo era orientado por idéias do chamado neoliberalismo. Essas idéias encontram, na prática, duas formas principais de agir: a desregulamentação do trabalho, deixando o assalariado com o mínimo de proteção, ou sem nenhuma, e o estado mínimo, que se traduz, na prática, pelo desmantelamento do serviço público. As áreas de Saúde e Previdência são alvos preferenciais dessas políticas neoliberais. A situação criada pelo governo FHC não foi resolvida pelo Congresso, por meio de legislação própria que corrigisse a injustiça. A desigualdade no tratamento e o prejuízo causado ao trabalhador do setor público desencadearam ações na Justiça com vitórias dos trabalhadores. A questão, ainda controversa, merece uma avaliação, e o Fax Sindical publicou essas matérias para leitura dos interessados:

https://faxsindical.wordpress.com/2009/10/07/aposentadoria-especial-1/

https://faxsindical.wordpress.com/2009/10/07/aposentadoria-especial-2/

Publicado pelo Wordmobi

Comente ou deixe um trackback: URL do Trackback.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: