Arquivos de tags: IML

Peritos e médicos legistas realizam paralisação em Belém e no interior do estado

O desrespeito ao trabalho médico no serviço público brasileiro atinge quase todas as áreas. Inclusive médicos legistas e peritos. No Pará legistas entram em greve.

Peritos e e médicos legistas realizaram uma paralisação nesta segunda-feira (11) em Belém e nos municípios de Marabá e Castanhal, no sudeste e nordeste do estado. Eles pedem reajuste salarial e melhores condições de trabalho. Com a paralisação as liberações de corpos, na capital foi prejudicado, deixando familiares angustiados.

Os profissionais cruzaram os braços durante a manhã e até o final do dia os serviços ainda não estavam normalizados. Eles pedem para receber um reajuste de 20% pelo risco de vida e para as perícias judiciárias. Além da incorporação de um abono ao salário.De acordo com a categoria eles estariam sobrecarregados. Cerca de 350 profissionais atuam nos Institutos Médico Legais do Pará. Segundo os peritos o ideal seria um número quatro vezes maior.

http://g1.globo.com/pa/para/noticia/peritos-e-medicos-legistas-realizam-paralisacao-em-belem-e-no-interior-do-estado.ghtml

Médico tem dever de obediência diante de arbitrariedade policial?

http://ocorreionews.com.br/portal/2016/06/12/registrado-bo-contra-medicos-que-negaram-assinar-atestado-de-obito/

REGISTRADO BO CONTRA MÉDICOS QUE NEGARAM ASSINAR ATESTADO DE ÓBITO

Jun 12, 2016Chapadão Do SulPolíciaSlide Notícias

1

Na manhã deste sábado, 11 de maio, a Srª Corina Martins de Oliveira, 69 anos foi encontrada sem vida. Ela morreu enquanto dormia, em sua casa, localizada na Rua Selvíria, em Chapadão do Sul.

A família levou a mulher até o Hospital Municipal de Chapadão do Sul. Segundo o Boletim de Ocorrência da Polícia Civil, estavam de plantão o Dr. Omar e a Drª Fernanda e eles se negaram a realizar o Serviço de Verificação de Óbito (SVO), por não conhecer o histórico de saúde da falecida. Aquela mulher nunca havia sido atendida no hospital local. Segundo os familiares, fazia tratamento de saúde em Campo Grande.

A demora na definição provocou ansiedade nos familiares, que não conseguiam a liberação para início do velório, até que passadas algumas horas, os Policiais Civis ligaram para o IMOL, Instituto Médico e Odontológico Legal de Paranaíba, que autorizou a remoção para ser atendido e depois liberado para a família.

Houve um impasse no Hospital Municipal de Chapadão do Sul. Os médicos alegaram que não poderiam assinar o SVO, amparados pelo seu Conselho de Ética. Já a Polícia Civil, disse que os médicos deveriam assinar o SVO, pois segundo o Regulamento das Atividades Cartorárias, Administrativas e Operacionais da Polícia Civil- R12, prevê que em localidade onde não exista médico legista, ou serviço de verificação de óbito, o SVO deve ser assinado por um médico local.

Diante do impasse, dois Boletim de Ocorrências foram registrados, um por morte a esclarecer e outro por desobediência, contra os médicos.

Telegrama Sindical: IML de Caruaru – condições do local são denunciadas por auditores do MTE

IML de Caruaru – condições do local são denunciadas por auditores do MTE

Boa notícia para os médicos de Caruaru que trabalham no IML: o ministério do Trabalho lá funciona. Tomara que algum dia funcione também em Juiz de Fora, MG. Denunciada pelos auditores do MTE a condição de trabalho naquela unidade. A matéria está no G1, e confira no link ao final.

O Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) denuncia a precária situação de funcionamento e condições de trabalho do Instituto de Medicina Legal (IML) de Caruaru, no Agreste de Pernambuco. De acordo com o auditor fiscal Francisco Reginaldo, em recente visita à unidade, ficou constatado que “os instrumentos utilizados na necropsia dos corpos não são os previstos em lei; os servidores têm contato direto com o sangue dos corpos, uma vez que não usam luvas para a execução das atividades; as suturas são feitas com hastes de guarda-chuvas ao invés de com o material adequado”.

G1 – Ministério do Trabalho faz denúncia de condição de trabalho no IML Caruaru – notícias em Caruaru e Região

Fonte: Telegrama Sindical: IML de Caruaru – condições do local são denunciadas por auditores do MTE

Conselho Regional de Medicina de Pernambuco cumpre seu papel e interdita IML

O Conselho Regional de Medicina de Pernambuco (Cremepe) determinou na última terça-feira (15) a interdição ética do setor de necropsia do Instituto de Medicina Legal (IML) do Recife. Com a decisão, o Cremepe suspende a atividade médica, em caráter provisório ou definitivo no local, devido às faltas de condições de trabalho adequadas, utilizada para proteger a boa prática médica, o direito à saúde do cidadão e os direitos humanos.

A medida foi tomada após vistoria realizada no local, onde foram encontradas diversas irregularidades e desrespeito com os corpos ali presentes. No relatório elaborado pela Comissão que realizou a fiscalização fica explícito as faltas de condições de funcionamento do Instituto. Entre as irregularidades, está a falta de materiais básicos, macas insuficientes para acomodação dos corpos, infiltrações e precariedade para lidar com os cadáveres. Até que as irregularidades sejam sanadas, nenhum médico deverá realizar perícias naquele local.

“É preciso ter cuidados com o cadáver e a situação encontrada lá é terrível, repugnante, uma afronta aos direitos humanos”, relatou o presidente do Cremepe, André Longo.

Com a interdição, os corpos que se encontram no IML-Recife estão sendo encaminhados para outro local até que a situação seja solucionada. Uma nova visita foi agendada para a próxima segunda-feira (21), enquanto isso, o Governo já anunciou um mutirão para que soluções sejam apresentadas e para que os principais problemas sejam corrigidos e o instituto volte a funcionar o mais rápido possível.

“Em respeito ao interesse público superior materializado no direito das famílias sepultarem dignamente seus entes queridos e na necessidade das instruções das perícias, o Governo e o Cremepe estabeleceram conversações a respeito das questões colocadas relativas ao Instituto de Medicina Legal (IML), a fim de resolver a situação com ações de curto, médio e longo prazo,” divulgou em nota oficial o Cremepe.

Em entrevista à Rádio FENAM , o presidente do Cremepe, André Longo, fez um panorama da situação e os apontou os principais motivos da interdição.
http://portal.fenam2.org.br/portal/showData/392944

Dúvida: será que se fosse em MG isso teria acontecido?