Arquivos de tags: Secretaria de Saúde de Juiz de Fora

Crise no SUS de Juiz de Fora. Prefeitura X municipalizados. Assembleia 10/03

FAX SINDICAL – 04 DE MARÇO DE 2020 –
Nova assembleia dia 10/03 – Segue crise entre prefeitura de JF e servidores municipalizados.   Nova assembleia geral dos servidores públicos estaduais municipalizados, de todas as categorias profissionais, foi marcada para o próximo dia 10 de março de 2020, terça-feira, às 19 horas e 30 minutos, na Sociedade de Medicina e Cirurgia de Juiz de Fora.  
   A assembleia anteriormente convocada para 03 de março não pôde ser realizada por causa das chuvas em Juiz de Fora, que dificultaram o funcionamento do já precário transporte público, congestionando o trânsito e dificultando a circulação de pedestres pelas calçadas e ruas esburacadas e descuidadas, cheias de poças d’água.
   A assembleia se faz necessária pela crescente escalada de conflitos e dificuldades criadas pela atual administração municipal com os servidores públicos estaduais municipalizados, sujeitos à gestão municipal. A lei municipal 8393, de 30 de dezembro de 1993 não está sendo cumprida pela atual administração municipal. Quase totalidade dos municipalizados não receberam e muitos enfrentam dificuldades financeiras, têm que pagar juros, multas, atrasar pagamentos, reduzir a compra de alimentos e outros danos morais resultantes da atitude dos atuais gestores municipais.
   E a Secretaria de Administração e Recursos Humanos (SARH) da Prefeitura de Juiz de Fora não se manifesta. O dinheiro destinado ao pagamento continua em lugar incerto e não sabido, fazendo falta aos seus legítimos destinatários, que passam por dificuldades financeiras e humilhações.
  Pedimos às autoridades municipais, estaduais, à Câmara Municipal, aos parlamentares que representam a cidade, que se interessem por essa grave questão, afinal são responsáveis também pelo bom funcionamento do SUS, que está sendo comprometido por essa irresponsabilidade da administração municipal.
   Desde já avisamos à população usuária do SUS que o atendimento, ainda em parte dependente dos municipalizados, poderá resultar ainda mais prejudicado devido a essa atitude da prefeitura.
   Medidas urgentes devem ser tomadas. Por isso é importante a presença de todos os servidores estaduais municipalizados, de todos os setores e de todas as categorias na assembleia do próximo 10 de março. Por favor, DIVULGUEM, mobilizem os colegas de trabalho, os amigos e todos os municipalizados.

Site – http://www.sindmedicos.org.br
Blog – http//faxsindical.wordpress.com
Correspondência – sindicatoexpresso@sindmedicos.org.br
Fone de contato (32)32172101

Prefeitura de Juiz de Fora vai acabar com complementação de municipalizados

FAX SINDICAL – 13 DE FEVEREIRO DE 2020

Sindicato dos Médicos de Juiz de Fora e da Zona da Mata de Minas Gerais

——————————————–

ASSUNTO: Prefeito Antonio Almas está acabando com a complementação dos servidores municipalizados do SUS de Juiz de Fora

Quais serão as consequências do desmoronamento dessa parceria que foi fundamental para a construção do SUS em Juiz de Fora?

ASSEMBLEIA GERAL DOS SERVIDORES ESTADUAIS MUNICIPALIZADOS DO SUS – DIA 18/02/2020, TERÇA, NA SOCIEDADE DE MEDICINA

SOLICITAMOS AOS SERVIDORES MUNICIPALIZADOS QUE NÃO ENTREGUEM À PREFEITURA DE JUIZ DE FORA NENHUM DOCUMENTO REFERENTE AO SERVIÇO PÚBLICO ESTADUAL, ATÉ DECISÃO DA ASSEMBLEIA.

As ações adotadas pela atual administração municipal contra a complementação paga aos servidores estaduais e federais municipalizados são o empurrão final contra uma parceria que tem sido importante para o funcionamento do SUS, da urgência e emergência e de serviços especializados. Mão de obra altamente qualificada foi cedida pelo Estado, no início dos anos noventa para que a atenção pública à saúde da população de Juiz de Fora não fosse prejudicada durante a implantação do SUS. Existindo uma diferença importante entre a remuneração dos servidores municipais e dos estaduais, que percebiam e percebem menos, foi criado o mecanismo da complementação, atendendo ao princípio da isonomia e contribuindo para atrair e fixar os servidores estaduais e federais para o SUS de Juiz de Fora.

Agora, os servidores municipalizados estão sendo descartados pelo prefeito Antônio Almas. Esperava-se um mínimo de gratidão e reconhecimento por parte da gestão municipal, diante da contribuição fundamental dos servidores públicos estaduais e federais municipalizados na construção do SUS de Juiz de Fora. Mas gratidão, respeito e reconhecimento não são sentimentos que embalam as decisões da atual administração.

Diante desse quadro o Sindicato dos Médicos de Juiz de Fora está convocando os servidores públicos estaduais municipalizados para uma assembleia geral que se realizará no dia 18 de fevereiro de 2020, terça-feira, às 19 horas e trinta minutos, na sede da Sociedade de Medicina e Cirurgia de Juiz de Fora, rua Braz Bernardino, 59, Centro. A situação é extremamente grave e muitos servidores estão amargando perdas de renda e de direitos. As decisões da administração deixam claro que a administração do prefeito Antônio Almas decidiu inviabilizar, por meio de medidas administrativas, encerrar a relação de colaboração entre os servidores municipalizados e a Prefeitura de Juiz de Fora, culminando em prejuízos que recaíram sobre os usuários do SUS e sobre os trabalhadores do setor público de saúde.

A presença de todos é fundamental e pedimos a cada um que distribua essa convocação e mobilize colegas de trabalho e amigos para a assembleia do dia 18 de fevereiro. Ao mesmo tempo avisamos que é extremamente arriscado entregar qualquer documento referente ao serviço público estadual, como o seu contracheque pessoal, à Prefeitura de Juiz de Fora. Recomendamos insistentemente que ninguém o faça.

Reiteramos a importância da assembleia e contamos com a presença de todos para que, unidos, enfrentemos essa grave ameaça que é apontada contra os servidores do SUS.

(A)Diretoria do Sindicato dos Médicos de Juiz de Fora e da Zona da Mata de Minas Gerais – http://sindmedicos.org.br – Correspondência – sindicatoexpressso@sindmedicos.org.br

PREFEITURA DE JUIZ DE FORA – MÉDICOS ESTADUAIS CEDIDOS À PREFEITURA EXIGEM ISONOMIA


 FAX SINDICAL – 30 DE JANEIRO DE 2020

Sindicato dos Médicos de Juiz de Fora e da Zona da Mata de Minas Gerais.

ASSUNTO: PONTO BIOMÉTRICO MUNICIPAL PARA SERVIDORES ESTADUAIS CEDIDOS AO MUNICÍPIO DE JUIZ DE FORA. SITUAÇÂO DA URGÊNCIA E EMERGÊNCIA

Impasse entre médicos estaduais cedidos ao município de Juiz de Fora (SUS) e Prefeitura de Juiz de Fora.

Médicos estaduais municipalizados do SUS de Juiz de Fora não estão sendo tratados com isonomia pela prefeitura.

Nesse caso há dois pesos e duas medidas, que é uma expressão que denuncia, como se sabe, uma injustiça e uma desonestidade – o julgamento de atos semelhantes segundo critérios diversos, conforme seus autores sejam mais ou menos simpáticos a quem julga, conforme o ensinamento do reconhecido professor Pasquale Cipro.

O ponto biométrico foi adotado, segundo o modelo clássico de organização do trabalho industrial, para controle rigoroso do horário de trabalho dos servidores públicos municipais. É obra da administração do ex-prefeito Custódio de Mattos, sendo secretario de administração do ex-prefeito o sr. Vítor Valverde. A resolução da antiga administração municipal, posteriormente rejeitada nas urnas, foi estendida pela atual administração (do dr. Antônio Almas, continuador de Bruno Siqueira) aos servidores estaduais cedidos à prefeitura (municipalizados), já que se acham sob gestão do município. Mas, nesse caso, não foi dado tratamento igual, aquilo que se chama (ou se chamava) ISONOMIA foi amplamente desconsiderado.
Aplica-se o peso do controle biométrico do ponto para os servidores estaduais cedidos à prefeitura, sem a medida da carga horária adotada pela gestão municipal. E isso afeta especialmente todos aqueles servidores municipalizados que atuam em serviços de urgência e emergência, como se o relógio pudesse regular as necessidades geradas pelas emergências conforme a imposição das horas e do tempo. Não é uma situação igual a desligar uma máquina quando se toca a sirene ou a sineta de fim de expediente.


Desde julho de 2019, quando essa situação foi acertada entre o sindicato e a secretaria de Administração e Recursos Humanos essa situação permanece sem desfecho ou conclusão. Diante disso fica claro que há uma tremenda má vontade da administração municipal em resolver a questão e uma incapacidade da Superintendência Estadual de Saúde de proteger os trabalhadores do serviço público estadual. Isonomia não é privilégio, é direito.

Nesse quadro não é de se esperar boa vontade dos profissionais e de quem os representa diante de exigência que parece tão descabida. Os profissionais afetados se reunirão para discutir os rumos da situação e o sindicato vai reavaliar as negociações com a prefeitura. Estamos todos, servidores públicos, cientes de que houve uma quebra de confiança.

O Sindicato dos Médicos passará novas informações aos interessados conforme o desenrolar dos acontecimentos. Vamos nos mobilizar e agir. Solicitamos a todos os médicos estaduais municipalizados que atuam em unidades de urgência e emergência que entrem em contato com o sindicato.

Juiz de Fora, 30 de janeiro de 2020

PREFEITURA DE JUIZ DE FORA ESTÁ PREJUDICANDO MÉDICOS MELHOR CLASSIFICADOS EM CONCURSO PÚBLICO

FAX SINDICAL

25 de setembro de 2019.

Sindicato dos Médicos de Juiz de Fora e Zona da Mata de MG

CONCURSOS PÚBLICOS PARA MÉDICOS DA PREFEITURA DE JUIZ DE FORA.

Secretaria de Saúde não tem respeitado princípios da impessoalidade e isonomia. Os melhores classificados no concurso não têm podido escolher as vagas que mais lhes INTERESSAM. ATENÇÃO :Isso é IMPROBIDADE.

“A Constituição Federal ao instituir os concursos públicos como forma prioritária e predominante na escolha do seu quadro de pessoal estabeleceu que os procedimentos de seleção dos candidatos, isto é, os certames devem se submeter aos princípios da impessoalidade e da meritocracia.”

Por conseguinte, os candidatos aprovados com melhor pontuação classificatória possuem o direito de preferência na escolha de sua lotação em relação aos candidatos aprovados com notas inferiores. Isso acontece, pois, os concursos públicos visam beneficiar os candidatos melhores preparados para assumir o cargo, conforme o sistema meritocrático.

A Administração Pública deve oportunizar todas as vagas existentes para os candidatos escolherem as que mais lhes agradam, começando com o primeiro classificado, não podendo “estocar” vagas para beneficiar um candidato futuro, sob pena de ofensa ao princípio da impessoalidade e isonomia. ”

https://advogadoagnaldo.jusbrasil.com.br/artigos/619541698/melhores-classificados-em-concursos-publicos-tem-prioridade-na-escolha-de-sua-lotacao

Prefeitura de Juiz de Fora deixou servidores estaduais do SUS local sem gratificação

FAX SINDICAL – 24 DE ABRIL DE 2019. 

Sindicato dos Médicos de Juiz de Fora e Zona da Mata de Minas Gerais

________________________ 

PREFEITURA DE JUIZ DE FORA ATRASOU PAGAMENTO A SERVIDORES ESTADUAIS MUNICIPALIZADOS.

Os servidores públicos estaduais da saúde sofrem nas mãos do governo estadual, com parcelamentos e atrasos e, os municipalizados -servidores estaduais cedidos ao município -, atualmente estão sofrendo com o descaso da SS (secretaria de saúde) da Prefeitura de Juiz de Fora que atrasa, de forma injustificada, o pagamento devido das complementações salariais. É uma atitude que aponta desrespeito com todas as classes de trabalhadores do serviço público estadual que atuam no SUS de Juiz de Fora, desempenhando um papel importante na atenção secundária e serviços especializados.

Por um acerto feito muito tempo, o dia marcado para o pagamento foi o dia 20 de cada mês. Caso o dia 20 caísse em feriado ou fim de semana, a prefeitura faria o depósito com a devida antecedência.

A data – dia 20 de cada mês – foi determinada pela própria administração municipal.

Fica claro que a Prefeitura de Juiz de Fora tem seus compromissos com colaboradores cedidos pelo estado e tem que honrar seus compromissos com esses profissionais.

Ao Sindicato dos Médicos de Juiz de Fora e da Zona da Mata cabe protestar contra esse descasoNão apenas em nome dos Médicos estaduais que atuam no SUS local, mas em nome de todos os trabalhadores do serviço público estadual de saúde que foram afetados por essa irresponsabilidade

Sindicato dos Médicos de Juiz de Fora aponta irregularidades em unidade do Pronto Atendimento Infantil

O documento aponta falhas de cadastramento, organização de estrutura, infraestrutura e alerta de que o local não possui alvarás sanitário e de localização, nem Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros (AVCB) e Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde.

De acordo com o presidente do sindicato, Gilson Salomão, será solicitado que os promotores acompanhem as providências solicitadas pelo CRM no documento.

Em nota enviada ao MGTV, a Secretaria de Saúde informou que aguarda o Conselho Regional de Medica enviar o relatório com as informações da vistoria para ter conhecimento dos possíveis ajustes necessários e tomar as devidas providências.

“Precariedade”

A vistoria foi resultado de duas denúncias encaminhadas ao CRM. A peimeira no dia 3 março, pela Associação de Defesa dos Direitos Humanos e Cidadania de Juiz de Fora, em função de uma visita em fevereiro da Comissão de Saúde da Câmara Municipal. A outra em 12 de junho, a pedido do próprio sindicato, após o registro de uma agressão a uma médica dentro da unidade.

http://g1.globo.com/mg/zona-da-mata/noticia/sindicato-dos-medicos-de-juiz-de-fora-aponta-irregularidades-em-unidade-do-pronto-atendimento-infantil.ghtml

#CRISEnoSUS Prefeitura de Juiz de Fora não paga gratificações e gera crise

​FAX SINDICAL

Sindicato dos Médicos de Juiz de Fora e da Zona da Mata de MG

Data: 31 de março de 2017
AVISO DE UTILIDADE PÚBLICA – SERVIÇOS DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA DO MUNICÍPIO DE JUIZ DE FORA ESTÃO EM RISCO POR FALTA DE PAGAMENTO DOS PROFISSIONAIS
ASSUNTO: CALOTE NO PAGAMENTO DE GRATIFICAÇÕES DE MÉDICOS DO HPS VAI GERAR CRISE NO SETOR
Ao receber seus vencimentos correspondentes ao mês de março, os médicos da Prefeitura de Juiz de Fora, que atuam no setor de Urgência e Emergência puderam confirmar aquilo que já estava em seus contracheques. As gratificações correspondentes aos seus esforços extras em prol do andamento dos serviços de urgência e emergência não foram depositadas.

Essa situação gerou um clima de revolta e desalento em todos os profissionais atingidos.

Fala-se em pedidos de demissão, de afastamento, em desistências. 

A constatação é sempre a mesma. A atual administração municipal parece não se importar com o “outro lado”, vítima sempre das negligências mais estapafúrdias, dos desrespeitos mais bizarros, dos esquecimentos mais torpes.

Rogamos a V. Exa., o Prefeito Municipal, Engenheiro Bruno Siqueira, que faça com que pessoas responsáveis intervenham nessa situação para evitar mais danos, por vezes irreversíveis, decorrentes da irresponsabilidade patente de alguns.
(A) SINDICATO DOS MÉDICOS DE JUIZ DE FORA E DA ZONA DA MATA DE MINAS GERAIS – SECRETARIA GERAL

Sindicato Expresso: A situação do HPS de Juiz de Fora, o risco de desassistência e o ativismo do MPE.

sexta-feira, 25 de setembro de 2015

A situação do HPS de Juiz de Fora, o risco de desassistência e o ativismo do MPE.

FAX SINDICAL

Juiz de Fora, 25 de setembro de 2015.
Sindicato dos Médicos de Juiz de Fora e da Zona da Mata.
EDITORIAL
POR QUE SÓ OS MÉDICOS?
Sobre MPE, HPS e os descaminhos da verdade na mídia local.
Ou reflexões sobre excesso de poderes e poder discricionário de certas autoridades.
Se você tem um cargo público não eletivo, mas que a legislação do país o investe de poderes consideráveis, seria razoável você não interferir em questões que envolvessem pessoas das quais você não gosta, alimenta ressentimentos, ou que você desconsidera completamente como indignos de qualquer respeito. Se investido de poderes que o estado lhe dá, seria razoável que você deveria se julgasse impedido, para poupar as possíveis futuras vítimas de vexames, humilhações e injustiças.
Se você é secretário de um governo municipal, você deve ser cioso de suas funções, zeloso delas, e não permitir que outras esferas de poder interfiram de forma pouco razoável em suas ações e decisões e em sua esfera de poder, a não ser que seja em acatamento a mandado judicial ou decisão legislativa ou administrativa superior.
Esses dois princípios parecem conter noções razoáveis ao senso comum das pessoas normais e de bem. Porém nenhum deles foi convenientemente respeitado quando o representante do Ministério Público do Estado de Minas Gerais tomou as folhas de ponto do mês em curso do HPS no mês de agosto. E o fez sem resistência, com a tranquila conivência dos gestores municipais de saúde.
Podemos pensar que o fiscal da lei quisesse fiscalizar a legalidade da assinatura dos pontos naquela instituição pública, motivado por alguma evidência ou denúncia de irregularidade. Não fiscalizou os pontos. Apenas tomou os pontos dos médicos. Esse mesmo promotor tem antecedentes de atrito com a classe médica em outros municípios. Suas condutas aqui nesse município já foram objeto de representações à Corregedoria por parte do Sindicato dos Médicos, contudo, tudo resultou em nada. Uns são mais iguais do que os outros. O corporativismo de uns vale mais do que o dos outros. A corda sempre arrebenta do lado mais fraco.
As ações do MPE no HPS resultaram em matérias na mídia local. Em uma delas, na edição online do jornal “Tribuna de Minas”, surgiram comentários grosseiros, desarrazoados e ofensivos, pessoas pouco iluminadas pela luz do conhecimento. Um vigarista, escondido sob o véu do anonimato, chegou a usar a expressão “canalha”, referindo-se aos médicos daquela instituição. O site do citado jornal não tem mecanismos que permitam a denúncia direta de comentários feitos por marginais e pessoas maledicentes, desprovidos de equilíbrio e bom senso e urdidos de maneira de ferir ainda mais as vítimas da ação discricionária mencionada. A situação gerada pelos comentários da Tribuna está em exame na assessoria jurídica do sindicato. Mas, ao atropelar a autoridade administrativa da prefeitura e transformar um problema burocrático de assinaturas de folhas de ponto em caso de polícia, o Dr. Rodrigo de Barros agiu de modo a causar a desmoralização do corpo clínico do HPS. Seria esse objetivo deliberado ou um acidente de percurso? O dano moral infringido a cada médico que trabalha no HPS não tem preço.
A comunidade deveria entender que em um sistema público de saúde constituído por unidades sucateadas, desprovido de mecanismos de segurança no trabalho e de segurança pública, carente do fornecimento regular e constante de medicamentos e insumos necessários ao cuidado da saúde, em nada adianta o ativismo contra os médicos. Afugentar os médicos resultaria em desestímulo ainda maior para os profissionais e resultará em desassistência. Muitos autores de comentários maliciosos e ferinos em jornais, protegidos pelo véu do anonimato não entendem exatamente o significado de desassistência, até porque nem costumam frequentar leitos e consultórios do SUS e nem trabalham com as pessoas que os frequentam. Pelo contrário, nós entendemos.

Brasil fecha quase 500 mil empregos formais de janeiro a julho, revela Ministério do Trabalho

É o pior resultado desde que começou a ser contabilizado o acumulado do ano.

De janeiro a julho deste ano, o Brasil registrou um saldo negativo de quase 500 mil postos de trabalho formais, informou na tarde desta quarta-feira (23) o CAGED, realizado pelo MTE (Ministério do Trabalho e Emprego).

No acumulado do ano até julho, as empresas do País abriram 11.286.776 vagas e fecharam 11.781.162, o que resultou num saldo de -494.386. Este é o pior resultado registrado desde que a pesquisa começou a contabilizar o acumulado do ano, em 2002.

#CRISEnoSUS – Governo do DF pede intervenção militar no SUS

Vice-governador se dirigiu aos comandantes das três forças para solicitar o fornecimento de médicos para UPAs. Em geral os quadros de médicos das UPAs são preenchidos por profissionais submetidos a contratos precários, que são contratos temporários ou terceirização de atividade-fim em serviços públicos de saúde. Isso acarreta alta rotatividade de mão de obra, além de possibilitar a contratação e demissão de profissionais sem qualquer transparência, ainda que essas contratações e demissões sejam feitas com dinheiro público repassado a terceiros. Leia a matéria completa no site da R7 -> Governo do DF pede ajuda de médicos das Forças Armadas para atendimento na rede pública – Notícias – R7 Distrito Federal

O Governo do Distrito Federal pediu às Forças Armadas a transferência de profissionais de saúde para hospitais da rede pública. O pedido aos comandos da Marinha, Aeronáutica e Exército foi feito pelo vice-governador Renato Santana, que ainda não recebeu respostas. Os médicos podem substituir 100 médicos que deixaram as UPAs (Unidades de Pronto Atendimento) a pós o fim dos contratos de trabalho. Santana diz que a medida é emergencial.

– A expectativa é de que essa unidade militares possam nos ajudar, é um momento difícil, é uma operação efetivamente de guerra, há um prazo para esse pedido, que é de, aproximadamente, seis meses, até que a Secretaria de Saúde se ajuste e busque os mecanismos para botar essa Upas em pleno funcionamento.

Postado por G. Sette às 0 comentários Links para esta postagem

Aprovada PEC que proíbe a União de transferir encargos aos municípios

Um avanço da responsabilidade e da razoabilidade. Finalmente foi aprovada a PEC que proíbe terminantemente ao governo federal transferir encargos e obrigações para os municípios e estados sem prover, por meio de recursos certos e “carimbados”, os recursos que serão empregados para o cumprimento desses encargos. A matéria completa está em -> Aprovada PEC que proíbe a União de transferir encargos aos municípios | FOLHAMAX

“É uma vitória dos municípios e uma porta que se abre para que haja correções no pacto federativo”, afirmou o deputado federal Victório Galli (PSC), sobre a aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC 172/2012), que proíbe a União de impor ou transferir qualquer encargo ou a prestação de serviços aos estados, ao Distrito Federal e municípios sem a previsão de repasses financeiros necessários ao seu custeio.

#CRISEnoSUS – Carreira de estado para médicos do SUS na agenda da greve dos residentes

Residentes que atendem em unidades do SUS fazem greve e entre as reivindicações está a carreira de estado para os médicos do SUS.

A matéria está em -> Bem Estar – Médicos residentes paralisam atividades no SUS em vários estados

G1 acompanhou atividades do “Dia da Valorização da Residência Médica” em mais de dez estados.

Entre as reivindicações dos residentes estão a fiscalização dos programas de residência do país para garantir sua qualidade, a suspensão de cortes orçamentários em serviços em que atuam médicos residentes, a criação de um plano de carreira para médicos preceptores (aqueles que supervisionam a atuação dos residentes), a criação de um plano de carreira nacional para médicos do SUS, o cumprimento da lei que garante auxílio moradia aos residentes, além de equiparação do valor da bolsa de residência com as bolsas de outros programas federais, como Mais Médicos e Provab.

#CRISEnoSUS – Financiamento da saúde – Piso constitucional da saúde é defendido em debate na Câmara

O estabelecimento de um piso constitucional equivalente a 15% da Receita Corrente Líquida (RCL) está sendo defendido para a saúde. Em que pese a resistência do governo Dilma (PT) o debate segue na Câmara dos Deputados. A proposta é de uma PEC que obrigue o comprometimento do governo com o deficiente financiamento da saúde hoje vigente.

Uma matéria sobre esse debate está publicada em ->

Piso constitucional da saúde é defendido em debate na Câmara – Cenário da Notícia em Lucas do Rio Verde e Região

Uma prefeita e uma deputada estadual defenderam nesta quinta-feira (24) a aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 1/15 para elevar o valor mínimo a ser aplicado pela União em ações e serviços públicos de saúde. Elas participaram de audiência pública da comissão especial que discute o projeto do deputado Vanderlei Macris (PSDB-SP) para estabelecer uma regra de transição de cinco anos até o percentual de 18,7% da Receita Corrente Líquida (RCL) ser atingido. É o chamado “piso constitucional” da saúde.

Para mais informações vá em -> http://telegramasindical.blogspot.com

Sugestões, críticas, denúncias -> envie um email para o Fax Sindical – Endereço: guatemoz@gmail.com

Fonte: Sindicato Expresso: A situação do HPS de Juiz de Fora, o risco de desassistência e o ativismo do MPE.

Telegrama Sindical: #CRISEnoSUS – médicos do HPS de Juiz de Fora não encontram folha de ponto para assinar no dia 21 de agosto

domingo, 23 de agosto de 2015

#CRISEnoSUS – médicos do HPS de Juiz de Fora não encontram folha de ponto para assinar no dia 21 de agosto

FAX SINDICAL
—————————————————————–
Juiz de Fora, 23 de agosto de 2015.
SINDICATO DOS MÉDICOS DE JUIZ DE FORA E DA ZONA DA MATA DE MINAS GERAIS

—————————————————————–

AVISO SINDICAL IMPORTANTE
ASSEMBLEIA GERAL DOS MÉDICOS MUNICIPAIS * PAUTA CARGA HORÁRIA E REGIME DE TRABALHO DOS MÉDICOS MUNICIPAIS * DIA 25 DE AGOSTO * TERÇA FEIRA * 19:30 (DEZENOVE HORAS E TRINTA MINUTOS) * SOCIEDADE DE MEDICINA E CIRURGIA

*DIA 25 DE AGOSTO* 18 HORAS E TRINTA MINUTOS * REUNIÃO DO CORPO CLÍNICO DO HPS DE JUIZ DE FORA COM O JURÍDICO DO SINDICATO * PAUTA: PROMOTOR RODRIGO BARROS X MÉDICOS MUNICIPAIS DE JUIZ DE FORA * NA SOCIEDADE DE MEDICINA

Editorial

HOSPITAL DE PRONTO SOCORRO DE JUIZ DE FORA – SÓ PARA MÉDICOS: 21 DE AGOSTO NÃO HAVIA FOLHA DE PONTO PARA QUEM TRABALHOU ASSINAR

“Desgraçadamente para o ser humano, o planeta foi fatiado em países, cada qual provido de lealdades, de lembranças,de uma mitologia particular, de direitos, de agravantes, de fronteiras, de bandeiras, de emblemas e mapas. Enquanto durar esse arbitrário estado de coisas, serão inevitáveis todas as guerras.” Jorge Luis Borges, in Pilar Bravo e Mario Paoletti, Borges Verbal, Buenos Aires, Emecé, 1999, p.147.

23 Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! pois que dizimais a hortelã, o endro e o cominho, e desprezais o mais importante da lei, o juízo, a misericórdia e a fé; deveis, porém, fazer estas coisas, e não omitir aquelas.
24 Condutores cegos! que coais um mosquito e engulis um camelo.
25 Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! pois que limpais o exterior do copo e do prato, mas o interior está cheio de rapina e de intemperança.” (Bíblia, Mateus 23:23-25)

O Corpo Clínico do Hospital de Pronto Socorro de Juiz de Fora “Dr. Mozart Geraldo Teixeira”, principal referência em urgência e emergência de Juiz de Fora e região, sofreu um sobressalto. O Ministério Público Estadual de Minas Gerais, na pessoa de seu representante, o Dr. Rodrigo Barros, adentrou o setor de recursos humanos do hospital citado e apoderou-se, com o consentimento (ou seria melhor dizer conivência?) do gestor municipal e apoderou-se das folhas do ponto do mês em curso, ou seja, ainda não encerrado, daquele citado serviço público de saúde.
Aparentemente o digno representante do Ministério Público de Saúde agiu com excesso de poderes. Seu objetivo, em sua função de “fiscal da lei”, ficou claro, não era a fiscalização dos métodos de aferição de frequência do hospital. Não quis, como fiscal da lei, ver os pontos do hospital, de forma exclusiva, as folhas de pontos do médicos. A atitude tomada pela autoridade deixou claro que seu alvo eram os médicos, especificamente. Não se preocupou a autoridade em verificar qualquer outro aspecto das relações trabalhistas entre médicos e povo, representado aqui pela Prefeitura de Juiz de Fora. O profissionais sabem que os serviços assistenciais daquele hospital PÚBLICO não se tornarão melhores ou piores do que são atualmente pelo simples rigorismo dos métodos de aferição de frequência.

Sabemos que exite uma crença popular de que o trabalho médico pode ser medido em horas trabalhadas, como se faz no trabalho industrial, e que isso serve de subsídio aos argumentos propostos pelo rigorismo legalista e pelo punitivismo aplicado a pessoas de baixo poder ofensivo. Ninguém é obrigado a conhecer política de recursos humanos e muito menos a Lei de Parkinson, conhecida desde sua publicação em 1955 pelo economista norte-americano Cyrill Parkinson. Poucos sabem que esses conhecimentos ajudaram a construir políticas de recursos humanos em empresas importantes como Microsoft, Facebook, Google e Apple.

Estamos abaixo da linha do Equador e o que vemos é que, além do estresse próprio do trabalho em serviços médicos de urgência e emergência, exercido em condições não satisfatórias, os médicos têm que se preocupar com uma autoridade que parece ter comprado a ideia de que a crise recorrente e crônica do sistema de saúde tem seus bodes expiatórios habituais.

Estranhamente esses acontecimentos lamentáveis ocorrem coincidentemente com negociações coletivas entre a Prefeitura de Juiz de Fora e o Sindicato dos Médicos de Juiz de Fora e da Zona da Mata de Minas Gerais exatamente para tratar de carga horária e regime de trabalho dos médicos municipais. Existem coincidências estranhas.

Alguém devia lembrar ao promotor Rodrigo Barros que o artigo oitavo da Constituição diz: “III – ao sindicato cabe a defesa dos direitos e interesses coletivos ou individuais da categoria, inclusive em questões judiciais ou administrativas; ” Supondo que os poderes do senhor promotor não excedam aqueles que a Constituição Federal ainda em vigor estabelecem.

Telegrama Sindical: #CRISEnoSUS – médicos do HPS de Juiz de Fora não encontram folha de ponto para assinar no dia 21 de agosto.

#CRISEnoSUS Projeto Caixa preta da saúde continua recebendo denúncias

03-07-2014

***** FAX SINDICAL  TRÊS  DE JULHO DE 2 0 1 4  *****

_____________________________

 

 

***** .’.  Sindicato dos Médicos de Juiz de Fora e da Zona da Mata .’. *****

……………………………………….

……………………………………………………………………….

Acompanhe em http://sindicatoexpresso.blogspot.com

————————————————————-

 

Assunto: Situação crítica do SUS – Por que a falta de preocupação do Ministério da Saúde com uma agenda de trabalho decente no SUS, aliada ao sucateamento material e moral do sistema, tem empurrado o SUS na direção de uma implosão? O clientelismo e o assistencialismo salvarão os políticos que usam a saúde como demagogia?

 

————————————————————-

ATENÇÃO MÉDICOS DA PREFEITURA DE JUIZ DE FORA

DIA 08 DE JULHO DE 2014, TERÇA-FEIRA, NA SOCIEDADE DE MEDICINA  E CIRURGIA, 19 HORAS E 30 MINUTOS, ASSEMBLEIA GERAL DOS MÉDICOS DA PREFEITURA. POR SALÁRIO, CARGO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO. NÃO DEIXE DE COMPARECER. REGISTRE SEU NOME NO LIVRO DE PRESENÇAS. VAMOS FAZER A NOSSA HORA. NÃO PODEMOS ESPERAR QUE OS GESTORES RECONHEÇAM NOSSO MÉRITO E OS ESFORÇOS E SACRIFÍCIOS DO NOSSO TRABALHO. VAMOS NOS UNIR PARA LUTAR – É TERÇA-FEIRA, 8 ( O I TO ) DE JULHO! DIVULGUE, CONVIDE OS COLEGAS. NOSSA FORÇA SÓ DEPENDE DE NOSSA UNIÃO.

……………………………………………………………………………………………………………

#CRISEnoSUS Apoie o projeto “Caixa Preta da Saúde”. Ele continua recebendo cada vez mais denúncias e evidenciando a mentira do discurso oficial ufanista sobre o SUS. O Ministério da Saúde quer esconder da população e dos profissionais de saúde a verdadeira situação da saúde. Iniciativas como essa fazem o contraponto e desmentem o discurso oficial.

 

Projeto Caixa-Preta da Saúde continua recebendo denúncias

 

Mesmo com todos os olhos voltados para a Copa do Mundo, realizar exames, tomar uma medicação ou necessitar de um leito continuam sendo alguns dos grandes problemas enfrentados pela população brasileira.

 

O projeto Caixa-Preta da Saúde está atualmente com 2.979 denúncias registradas e dentre elas os exemplos citados acima são os com maior porcentagem.

 

Idealizado pela AMB junto às Sociedades de Especialidade, Associações Médicas Regionais e parceiros, o projeto foi lançado em 12 de março com o objetivo de unificar, num só lugar, os problemas enfrentados pela saúde, seja ela pública ou privada.

 

O site (caixapretadasaude.org.br) é um portal em que todos têm acesso espontaneamente, e que mostra à população como está a saúde no Brasil. Em maio, um copilado das informações foi entregue ao Ministério Público Federal para que os órgãos regionais fiscalizadores competentes articulassem uma distribuição de jurisdição para as denúncias.

 

Além das denúncias por escrito, é possível também enviar fotos e vídeos sobre os casos. “Convocamos não somente a população, como também os profissionais da saúde para mostrarem o que acontece na saúde brasileira”, finaliza o presidente da AMB, Florentino Cardoso.

Notícia adicionada por:Nívia Rodrigues

http://www.crmmg.org.br/interna.php?n1=13&n2=28&n3=200&pagina=201&noticia=5204

 

————————————————————-

 

#CRISEnoSUS O “trabalho análogo à escravidão” imposto aos profissionais cubanos que atuam como médicos no programa “Mais Médicos” do governo federal, continua acontecendo, diante da inércia dos ministérios públicos, do Judiciário e do ativismo de setores do Executivo. Contudo, o alerta à comunidade e à opinião pública está sendo dado pelas deserções que pingam a cada dia, aumentando o número de trabalhadores terceirizados enviados pela ditadura cubana que estão abandonando o trabalho. No sertão da Paraíba, mais um caso. Não é o primeiro. Nâo será o último. O Ministério da Saúde, que esconde até o contrato de trabalho dos cubanos, lida com a situação sem ter o mínimo de transparência necessário a uma sociedade democrática. Não tem glasnost no Ministério da Saúde.

02/07/2014 11h36 – Atualizado em 02/07/2014 11h36

Médica cubana abandona programa Mais Médicos no Sertão da Paraíba

Profissional atuava na cidade de Triunfo desde dezembro de 2013.

Secretaria explica que a médica saiu da cidade no dia 18 de junho.

Diogo AlmeidaEspecial para o G1 PB

Uma médica cubana contratada através do programa Mais Médicos, do Governo Federal, abandonou suas atividades na cidade de Triunfo, no Sertão paraibano, e está desaparecida desde o dia 18 de Junho. Segundo a secretária de saúde do município, Kennaline Andrade, do dia 18 até esta quarta-feira (2), a secretaria só conseguiu falar com a médica em duas ocasiões e na mais recente a cubana explicou que não voltaria para o município. A profissional atuava na cidade desde dezembro de 2013.

De acordo com Kennaline, no dia 18, véspera do feriado de Corpus Christi, a médica entrou em contato com a secretaria pedindo um transporte até Cajazeiras para de lá viajar para João Pessoapara curtir o feriado, explicando que voltava no dia 23. “Ela já havia viajado pra capital em outras ocasiões e frequentemente viajava para Campina Grande, para atividades particulares. Como sempre voltou, achávamos que seria mais uma viagem comum”, disse Kennaline.

A secretária explica que na véspera de São João (23), a equipe da Unidade Básica de Saúde da Família onde a cubana trabalhava questionou a ausência da médica. “Tentamos falar com ela, mas não conseguimos. Achamos que ela teria resolvido prolongar o feriado e que iria voltar após o São João”, comentou Andrade.

Um dia após o feriado, na quarta-feira (25), a médica ainda não havia voltado para Triunfo e a secretaria de saúde do município tentou várias vezes contato por telefone com a profissional. Segundo Kennaline, apenas no final da tarde a cubana retornou as ligações explicando que estava com problemas pessoais e que precisaria de dois dias para resolver e voltar. Completado o período, a secretaria voltou a tentar em contato com a médica, mas nenhuma ligação, e-mail ou mensagem de texto foi retornada.

“Ficamos preocupados achando que tinha acontecido algum problema grave. Outras duas médicas cubanas que atuam aqui na cidade falaram com a família da médica lá em Cuba e os pais dela explicaram que também não tinham notícias da filha”, disse Kennaline Andrade.

Na segunda-feira (30), a equipe da secretaria ficou surpresa com uma ligação de cerca de 13 segundos feita pela cubana. “Ela ligou para uma das outras colegas, disse que estava bem e que não iria mais voltar para Triunfo. A colega dela ainda chegou a perguntar onde ela estava, mas ela não disse e em seguida desligou o telefone e até então permanece desligado”, comentou a secretária.

Um ofício comunicando sobre o abandono de trabalho e desaparecimento da médica foi enviado pela secretaria de saúde de Triunfo para a Comissão Estadual do programa Mais Médicos na Paraíba na terça-feira (1º). Kennaline explicou que aguarda uma decisão do Ministério da Saúde sobre a situação da cubana e disse que, por enquanto, o atendimento no setor que a médica trabalhava está sendo direcionado para outras localidades.

http://g1.globo.com/pb/paraiba/noticia/2014/07/medica-cubana-abandona-programa-mais-medicos-no-sertao-da-paraiba.html

————————————————————-

 

#CRISEnoSUS Câmara de Deputados defende reestruturação e fortalecimento de auditoria e fiscalização e reconhecem corrupção que compromete a saúde

 

Deputados querem reestruturar fiscalização do SUS

 

O combate à corrupção e ao desperdício de recursos na área da saúde é o foco da Frente Parlamentar em Defesa do Sistema Nacional de Auditoria do Serviço Único de Saúde (SUS), criada na Câmara dos Deputados em maio. Os deputados querem a reestruturação dos serviços de fiscalização e controle interno do SUS.

Segundo observa a deputada Erika Kokay (PT-DF), que propôs a formação do grupo parlamentar, o orçamento da União reserva R$ 106 bilhões para o setor em 2014. Desse total, 70% são repassados para estados e municípios, que prestam contas apenas por meio de relatórios, dando margem a irregularidades. O SUS tem uma auditoria própria que já conseguiu devolver aos cofres federais mais de R$ 800 milhões, mas, de acordo com Erika, isso não é suficiente.

“É preciso ter esse Sistema Nacional de Auditoria do SUS funcionando para que possamos coibir constatações que tivemos pela própria auditoria do serviço, que indica, por exemplo, em um único dia, 201 internações de uma mesma pessoa em um único dia no interior do Piauí”, argumenta. A parlamentar acrescenta que o Departamento Nacional de Auditoria do SUS (Denasus) listou 816 sessões de fisioterapia em nome do mesmo paciente e 29.755 internações pelo CPF de um único agricultor.

Falta de pessoal

Erika Kokay destaca ainda que a situação da auditoria é crítica, uma vez que 60% dos servidores que desempenham essa função podem pedir aposentadoria a qualquer momento.

“Temos 758 profissionais que trabalham dessa forma. Não temos o cargo estabelecido de auditor do SUS, são os servidores do Ministério da Saúde que cumprem essa função de forma absolutamente exemplar. 60% desse contingente estão com abono permanência.”

Além de um sistema nacional, a deputada também defende a implantação de auditorias municipais e estaduais para acabar com as fraudes que corroem as verbas da saúde. Ela lembra que, dos mais de cinco mil municípios brasileiros, apenas 168 contam com fiscalização específica para o setor da saúde.

Notícia adicionada por:Nívia Rodrigues

http://www.crmmg.org.br/interna.php?n1=13&n2=28&n3=200&pagina=201&noticia=5192

 

————————————————————-

 

#CRISEnoSUS – Médicos da atenção primária no Rio de Janeiro fazem assembleia no CREMERJ e uma greve não está descartada

Médicos farão assembleia amanhã no Cremerj

 

54 médicos podem parar as atividades na quinta-feira

 

Volta Redonda

Os médicos das Unidades Básicas de Saúde farão amanhã uma assembleia para decidir se entrarão ou não em greve. A reunião acontecerá às 10 horas na seccional do Conselho Regional de Medicina (Cremerj) de Volta Redonda, na Vila Santa Cecília. No encontro, os profissionais de saúde vão analisar a proposta que a Secretaria Municipal de Saúde enviou na última semana ao conselho. As informações foram dadas pelo presidente do Cremerj de Volta Redonda, Júlio Meyer.

Na proposta aos médicos, a prefeitura oferece um reajuste salarial que varia de 7% a 14%, dependendo da especialidade e do tempo de serviço dentro da secretaria. A categoria está reivindicando um salário de R$ 13,2 mil por mês, o mesmo valor que os profissionais do programa ‘Mais Médicos’ recebem.

Com o reajuste oferecido e gratificação do programa de metas PMAQ, o salário do médico da UBS chega, no máximo, a R$ 9.630, o que não atende as reivindicações dos médicos, segundo Júlio Meyer.

Em seu argumento, o governo municipal alega que dos R$ 13,2 mil pagos pelo programa ‘Mais Médicos’, R$ 10 mil são provenientes do Ministério da Saúde e o restante – R$ 3,2 mil – da secretaria de Saúde de Volta Redonda, como contrapartida.

Segundo o Cremerj, 54 médicos assinaram o documento de negociação com a secretaria municipal e podem paralisar as atividades já na próxima quinta-feira.

“Um médico que faz dois plantões em um hospital de médio porte consegue receber mais de R$ 15 mil, trabalhando dois dias por semana. Os profissionais das unidades básicas trabalham 40 horas semanais”, argumentou o presidente do Cremerj, que continuou: “Sabemos que o trabalho nas unidades básicas é fundamental para saúde do município, pois desafoga as emergências dos hospitais e das UPAs, além do trabalho de prevenção e a relação dos médicos com os pacientes da comunidade. Porém, os profissionais têm que receber o salário compatível ao mercado”.

 

Postado em 01/07/2014 09:58:59

http://www.avozdacidade.com/site/page/noticias_interna.asp?categoria=3&cod=34246

————————————————————-

#CRISEnoSUS – Médicos do HU da Universidade Federal do Piauí denunciam sucateamento dos equipamentos e aparelhagem e ameaçam ir à greve. Situação é tensa.

 

Médicos denunciam que aparelhos do HU não têm manutenção adequada

A categoria voltou a cruzar os braços na manhã de ontem e ameaçam iniciar uma greve caso suas reivindicações não sejam negociadas.

Os médicos do Hospital Universitário da Universidade Federal do Piauí (HU) voltaram a paralisar os serviços desde a manhã de ontem (30). Os profissionais denunciaram que aparelhos do hospital podem perder utilidade por falta de manutenção. Todos os procedimentos eletivos que estavam marcados para ontem foram suspensos e remarcados para datas posteriores.

A expectativa dos profissionais de medicina é de que até o final desta semana ocorra a paralisação, que segundo a categoria obedece a mesma pauta dos movimentos realizados anteriormente, que já totalizam três desde o mês de março. Apenas os atendimentos de urgência e emergência continuarão em funcionamento, assim como a Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

O médico cirurgião-geral do HU, George Almeida, pontua que as negociações com a empresa administradora do hospital, a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh) seguem sem resolutividade e de forma lenta. “Não tivemos, até a presente data, nenhum posicionamento oficial da Ebeserh, por aquilo que estamos pleiteando, que é por um serviço público de qualidade e que funcione na sua plenitude”, destaca.

O superintendente do HU, José Miguel Parente, avalia que já ocorreu a negociação a nível nacional, mas a categoria no Piauí não concordou com as propostas apresentadas pela empresa. Ele reafirmou que foi garantido em dissídio coletivo de trabalho, o aumento de 6,15% retroativo a março e também a progressão horizontal de todos os servidores.

Contudo, George Almeida rebate as declarações do superintendente do hospital, afirmando que as questões salariais não são as únicas impulsionadoras do movimento de paralisação. “Nós já levamos essa situação ao Ministério do Trabalho, essa questão já foi judicializada e está nas mãos do desembargador do Trabalho, em que o nosso acordo coletivo contempla em torno de 42 itens. Salário não é ponto principal, mas é presente em qualquer acordo”, reitera o médico cirurgião.

Ele ainda aponta que as questões estruturais do HU ainda são as responsáveis por manter o atendimento em deficiência. De acordo com o profissional, das 12 salas do Centro cirúrgico, apenas quatro são utilizadas. A Neurocirurgia e a Cardiologia ainda funcionam de modo parcial e ainda, segundo George Almeida, apenas um cirurgião torácico faz parte do quadro hospital, um cardiologista, oito cirurgiões, sendo necessários cerca de 30 profissionais com esta especialidade.

“Alguns equipamentos nossos estão sendo usados de forma precária, não estão tendo a manutenção adequada, correndo o risco de se tornarem inservíveis. São equipamentos que custam em torno de R$ 1 milhão, que são do setor de hemodinâmica, tomógrafos digitais, aparelhos de raios- -X portáteis, que não estão funcionando em sua norma lidade”, acrescenta George Almeida.

Os médicos do Hospital Universitário reivindicam ainda a implantação da carreira médica e aumento salarial a partir de 10%. Caso não tenham sucesso nas negociações, os profissionais ameaçam grevar por tempo indeterminado.

Repórter: Beto Marques

Leia a seguir médicos são homenageados em Brusque, Santa Catarina.

 

Médicos são homenageados em Brusque

Repórter: Juliane Ferreira

Crédito das fotos: Cristian Wilson – Divulgação

O encerramento do 17º Fórum das Entidades Médicas de Santa Catarina (FEMESC) no dia 28 de junho, em Brusque foi marcado pela as homenagens a cinco médicos da região.

Os primos Antônio Waldemar Moser (Brusque) e Melchior Moser (Timbó) receberam o título de Sócios- Vitalícios. A honraria é concedida pelo Sindicato dos Médicos do Estado de Santa Catarina (SIMESC) aos profissionais que completaram 70 anos e que contribuíram com a entidade por 10 anos seguidos ou 20 anos com alguma interrupção.

“Agradeço a minha família e a todos a lembrança pelo meu trabalho” , afirmou Antônio Waldemar Moser que há mais de 40 anos atua como médico em Brusque.

“Obrigado por esta homenagem e por vocês a frente das lideranças médicas lutarem pelos nossos direitos”, destacou o cardiologista Melchior Moser, que ainda exerce a profissão em Timbó.

O médico cirurgião e ginecologista e obstetra, Emílio Luís Niebuhr, também foi homenageado no evento “ É o agradecimento pelo trabalho realizado em todos esses anos de profissão e eu fico muito feliz”, declarou.

O médico João Antônio Schaefer (Dr. Nica) aos 96 anos de idade não pode comparecer ao evento, mas foi representado pelo filho, Delfino João Schaefer, que também é médico.

“Meu pai pediu para que eu não falasse em política, mas eu como médico não posso me conter e aproveito está oportunidade para fazer um repúdio ao ministro da saúde e a presidente pelo o que eles tem feito com a saúde. Fica o agradecimento a tudo que as entidades médicas fizeram pelo meu pai e o meu repúdio a este governo”.

Formado há 60 anos e um dos primeiros médicos da cidade de Brusque, Germano Hoffman, foi o outro homenageado da noite.

“Não é todo o dia que a gente recebe a notícia e sente satisfeito sabendo que algum dia foi útil para alguém na prestação de seus serviços”, agradeceu o médico.

Para a diretora de Assuntos Sócio-culturais do SIMESC, Giovana Ribeiro, as homenagens foram o ponto alto do evento. “É uma forma de reconhecer tantos anos de trabalho e dedicação à medicina de Santa Catarina”.

 

http://www.diplomatafm.com.br/portal/saude/detalhes.php?id=3059

Na Bahia:

Médicos mantêm suspensão de atendimento a segurados do Bradesco Saúde

A decisão foi tomada após uma reunião realizada nesta terça-feira (1º) entre o Sindimed e o plano

Da Redação

01/07/2014 21:21:00

A suspensão dos atendimentos aos segurados do plano Bradesco Saúde, iniciada na última quarta-feira (25), será mantida pelo Sindicato dos Médicos da Bahia (Sindimed-BA). A decisão foi tomada após uma reunião realizada nesta terça-feira (1º) entre o Sindimed e o plano.

De acordo com Francisco Hora, presidente do sindicato, a paralisação foi mantida porque o Bradesco Saúde se comprometeu a negociar diretamente com os donos das clínicas em setembro –  data-base da categoria. Mesmo assim, uma nova reunião entre o Sindimed e o plano está marcada para segunda-feira (7), na sede do sindicato em Ondina.

Com a suspensão, que não em prazo para acabar, ficam garantidos apenas os atendimentos de emergência e urgência. Segundo o sindicato, consultas e procedimentos podem ser feitos, “desde que o segurado utilize a modalidade de reembolso, pagando diretamente aos profissionais e cobre do plano o ressarcimento”.

Reportagem iBahia

 

http://www.correio24horas.com.br/detalhe/noticia/medicos-mantem-suspensao-de-atendimento-a-segurados-do-bradesco-saude/?cHash=73aa097bc2f7e0e624b32768d8148eb9