Arquivos de tags: pandemia

A COVID volta a assustar o Brasil. Já é a segunda onda?

Muitos questionam se o Brasil está recebendo o impacto de uma segunda onda de infecções por COVID antes que a primeira tenha passado. O fato é que, independente de onda, atendimentos e internações em enfermaria e UTI estão aumentando.

Domingo, 22 de novembro de 2020 – a taxa de ocupação de UTI por COVID no Rio chega a 92%.

Medidas restritivas que visam diminuir aglomerações e facilitar o isolamento social haviam sido relaxadas na cidade.

Muitos falam de segunda onda, que teria começado sem que a primeira tivesse sido completamente superada.

A falta de uma liderança do governo federal no combate à pandemia, a testagem deficiente e o descaso com o distanciamento social contribuem para a propagação do vírus e suas consequências.

Informou o G1:

“No domingo (22), a taxa de ocupação dos leitos de UTI exclusivos para pacientes com o novo coronavírus na rede SUS do Rio tinha o mesmo índice do mês de maio. Secretaria Municipal de Saúde se diz preparada e não acredita em segunda onda da doença.”

https://g1.globo.com/rj/rio-de-janeiro/noticia/2020/11/23/rj-tem-aumento-de-casos-de-covid-19-e-taxa-de-ocupacao-de-leitos-de-uti-na-rede-sus-chega-a-92percent.ghtml

E o portal Money Times:

“A taxa de ocupação de leitos de UTI (Unidade de Tratamento Intensivo) para covid-19 pelo Sistema Único de Saúde (SUS) chegou a 92% na cidade do Rio de Janeiro, no dia de ontem (22). É a maior ocupação desde 12 de junho deste ano, segundo a Secretaria Municipal de Saúde.”

https://www.moneytimes.com.br/ocupacao-de-leitos-publicos-de-uti-para-covid-19-chega-a-92-no-rio-de-janeiro/

Também o portal do jornal Valor Econômico registrou a espantosa alta na ocupação de UTIs:

https://valor.globo.com/brasil/noticia/2020/11/23/rio-tem-alta-de-casos-de-covid-19-e-ocupacao-de-utis-publicas-chega-a-92percent.ghtml

Essa situação se repete em muitas outras cidades. Causou estranheza saber que o Ministro da Saúde não distribuiu os testes necessários para estados e municípios, que ficaram estragando em depósitos. Grande parte da sociedade contra trabalho ao governo federal, que parece inerte e acomodado diante da pandemia. O governo federal ainda não explicou o que fará com os estoques gigantescos de cloroquina que Bolsonaro mandou fabricar e que estão encalhados. Nunca houve comprovação científica de que cloroquina fosse cura para COVID.

Médica “pela verdade” é denunciada por induzir pacientes a mentir em exames

Fundadora do Médicos Pela Verdade em Portugal, anestesiologista é investigada por ensinar pessoas a mentir para enganar testes de COVID e produzir falsos negativos.

Essa conduta monstruosa e criminosamente foi denunciada na imprensa portuguesa.

Diz o site do jornal Público ( em https://www.publico.pt/2020/11/23/sociedade/noticia/cofundadora-medicos-verdade-receitou-estrategias-enganar-testes-covid19-1940367 ):

“As queixas contra a desinformação dos “Médicos pela Verdade” acumulam-se na Ordem dos Médicos. Esta segunda-feira, o Observador deu conta de uma série de mensagens na aplicação Telegram, em que a anestesiologista e co-fundadora da página, Maria Gomes de Oliveira, terá procurado passar receitas e conselhos sobre como ludibriar os testes à covid-19.”

“O objectivo dos que procuravam ajuda da médica era tentar obter resultados negativos, que as permitisse manter os contactos habituais. Entre os vários conselhos para eliminar “todos os restos virais” das fossas nasais e da garganta, onde são recolhidas as amostras através das zaragatoas, Maria de Oliveira terá recomendado limpeza constante dessas áreas, “alimentos frescos e variados com muita fruta e legumes”, jejum antes do exame, repouso, entre outras “ajudas”.”

A picaretagem chegou ao conhecimento da imprensa pelo acesso a mensagens de aplicativos de celular nas quais a “médica pela verdade” ensinava as pessoas a mentir. Muito grave difusão de fake news e essas atitudes contrárias à saúde pública.

Mau exemplo para o mundo, Brasil na pandemia é igual orquestra sem maestro

A pandemia tem causado muita dor e apreensão no Brasil. Diante da falta de liderança e coordenação do governo federal, municípios, estados e grande parte dos magistrados têm se desdobrando para garantir condições mínimas de sanidade. O quadro geral é semelhante a uma orquestra sem maestro.

O Brasil tem sido um mau exemplo na condução da crise sanitária decorrente da pandemia. Não se sabe, com exatidão, o quanto de estado a desinformação tem causado. Como consequência disso há um certo desleixo em relação a medidas conhecidas e eficazes para reduzir a propagação do vírus: distanciamento social, uso de máscara e higiene das mãos com álcool gel ou água e sabão. O resultado disso é um número expressivo de mortes, infecções e ocupação de leitos hospitalares em decorrência da pandemia.

O presidente da República diz, demonstrando falta de conhecimento, de sensibilidade e de informação, que a segunda onda é “conversinha”. Esses diminutivos são lamentáveis, como aquela de que COVID era resfriadinho ou que “todo mundo morre um dia”, como se não houvessem mortes evitáveis. Prosseguem as ondas de fake news relacionadas com a pandemia. Muitas são desprovidas de qualquer coerência e fundamento. Como essa que diz que médicos alemães (sem citar qualquer instituição séria ou referencias em revistas científicas reconhecidas) teriam descoberto que as mortes por COVID seriam causadas por uma bactéria e que o sinal 5G teria algo a ver com isso.

Publicação em:

https://www.google.com/url?rct=j&sa=t&url=https://oglobo.globo.com/fato-ou-fake/e-fake-que-medicos-alemaes-descobriram-que-mortes-por-coronavirus-sao-causadas-por-uma-bacteria-que-covid-19-amplificada-pelo-5g-1-24745254&ct=ga&cd=CAEYAioUMTU1NTE1MzAyNjcxNDI3OTQ4NTcyHWVmZjRmZDFiNTQ1MzA0MDk6Y29tLmJyOnB0OkJS&usg=AFQjCNGDZ5NVJnk1FkTfDPjGheXtGDPENQ

Em São Paulo, médicos de 14 hospitais privados já informaram aumento do número de internações por COVID.

https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/2020/11/13/einstein-registra-aumento-de-internacoes-por-covid-19-medicos-de-outros-14-hospitais-privados-da-capital-ja-apontavam-alta.ghtml

Enquanto isso podemos ler em https://www.brasildefato.com.br/2020/11/13/indicacao-de-militar-para-cargo-na-anvisa-e-tiro-de-bolsonaro-contra-a-saude que Bolsonaro, que já tem um ministro da saúde que não é da área de saúde, nomeou mais um militar para cargo na ANVISA. O ministro da Saúde foi escolhido porque Bolsonaro não queria um gestor de saúde competente no cargo, mas alguém que se curvasse à sua vontade e não se recusasse a avalizar as ideias presidenciais baseadas em fatos alternativos, pós-verdade e pseudociência, colhidas em redes sociais, de gurus e falsários de todos os tipos.

Orquestra sem maestro. Nau sem rumo. Assim está o Brasil na pandemia. E o medo de adoecer e morrer, ao lado do risco concreto de que isso aconteça, continua povoando o dia a dia da população.

Manifestação na Rodoviária de Brasília em defesa do SUS e de protesto contra erros da crise sanitária

Ato em forma de cortejo fúnebre na Rodoviária de Brasília foi em defesa do SUS e protesto pela má condução da saúde pública pelo governo Bolsonaro.

——————————————————-

Ato público na Rodoviária de Brasília foi em defesa do SUS e de protesto contra a forma desastrosa que o governo federal vem conduzindo a saúde pública no Brasil.

“O objetivo do ato cênico, no formato de cortejo fúnebre, foi  para questionar o modo com que o governo Bolsonaro tem atuado em relação à saúde pública brasileira.”

https://jornaldebrasilia.com.br/cidades/manifestantes-protestam-em-defesa-do-sus-na-rodoviaria-de-brasilia/

Pá de cal na cloroquina. Brasil tem o maior estoque encalhado de cloroquina do mundo.

O uso de cloroquina contra COVID não é apenas ineficaz, é também prejudicial. Tanto a ineficácia do medicamento para COVID, quanto seus efeitos colaterais, são bem estudados e conhecidos atualmente.

Trump chegou a exaltar a cloroquina, dizendo que COVID tinha cura farmacológica. Quando ele mesmo teve COVID-19 não foi tratado com cloroquina. Paradoxalmente Trump era um negacionista, negava a gravidade da pandemia e seu potencial maligno.

Bolsonaro também foi negacionista, negando a gravidade da pandemia, subestimando o número de mortos e os riscos da doença.

Na esteira de Trump e Bolsonaro, médicos brasileiros identificados com grupos políticos que se declaram “de direita”, começaram a propagandear pelas redes sociais a cloroquina. Não se apoiavam em evidências científicas. Em muitas dessas publicações, vídeos e áudios que circulavam em redes sociais e repicavam em aplicativos de mensagens, era prometida uma cura milagrosa pela cloroquina, a ponto de fazer as pessoas não temerem a doença, porque havia doutores dizendo que havia um remédio que tudo resolveria. Além disso, os médicos negacionistas, ao menos parte deles, investiam raivosamente contra as medidas de prevenção necessárias e eficazes: o uso de máscaras, a higiene das mãos com água e sabão ou álcool gel e o isolamento social, apesar de todas as evidências científicas favoráveis a esse uso.

Os doutores negacionistas iam mais além. Levantavam um possível “tratamento preventivo” ou “tratamento precoce”, usando essa mesma cloroquina.

Sabendo que a cloroquina e hidroxicloroquina não têm efetividade comprovada contra COVID e que têm importantes efeitos colaterais, já conhecidos a nível clínico e, agora também, em nível molecular (confira a divulgação científica em https://www.terra.com.br/vida-e-estilo/saude/hidroxicloroquina-pode-causar-efeito-grave-diz-estudo,33e36add777387c11a72a27514137781iez6tvn4.html), sabemos que foi, no mínimo, uma temeridade, recomendar seu uso massivo contra a pandemia.

“O estudo não indica quais são os efeitos colaterais possíveis pois precisaria ser feito com um organismo vivo. A pesquisa utilizou apenas a interação molecular. “Analisar os efeitos é um trabalho médico. Fizemos a interação do DNA com o fármaco. Na literatura se encontra efeitos que vão de diarreia a psicose. Mas nosso trabalho foi feito a nível molecular”.

O lado mais sombrio dessa história é que essa facção de profissionais aceitava a desorientação do governo federal na luta contra a COVID, que tornou o Brasil um caso de fracasso na luta contra a pandemia e levou muitas vidas. Somos o segundo país do mundo em número de vítimas da pandemia e somos a sexta população do planeta. Países mais populosos, como China,Indonésia, Índia e Paquistão, conseguiram melhores êxitos no enfrentamento da pandemia. Só os Estados Unidos conseguiram ficar em situação pior.

A cloroquina é indefiras, tem efeitos colaterais importantes, que a impedem de ser usada massivamente e não serve de desculpa para o fracasso do governo federal nas suas ações e inações contra a pandemia. E Bolsonaro não deve satisfação apenas à família dos mortos. Tem que explicar por que gastou bilhões de dinheiro público para produzir milhões de comprimidos de cloroquina no laboratório do Exército. Talvez o Brasil tenha o maior estoque encalhado de cloroquina do mundo.

Pandemia, desinformação e negligência governamental no Brasil

Segundo o presidente da República o Brasil é um país de maricas, em razão dos cuidados que grande parte da população e gestores locais tomaram para o enfrentamento da pandemia. (Confira em https://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/agencia-estado/2020/11/10/tem-que-deixar-de-ser-um-pais-de-maricas-diz-bolsonaro-sobre-covid-19.amp.htm e, quem quiser ver e ouvir a declaração de Bolsonaro ao vivo e em cores pode conferir em https://youtu.be/RVoJld9fsjE ) Ao governo federal faltou liderança e capacidade para lidar com a crise sanitária. O resultado foi o expressivo número de contaminados e mortos. Nesse quesito o Brasil, sexto país do mundo em população, ficou em segundo lugar no ranking da tragédia, ficando apenas atrás dos Estados Unidos.

A influência negativa de informações falsas no aumento de casos de contaminação por coronavírus é coisa muito óbvia e conhecida.

Pesquisa demonstrou que em cidades onde Bolsonaro foi bem mais votado, o número de casos de contaminação por COVID foi maior.

Este estudo deixa claro que pessoas que acreditam no presidente são mais propensas a não cuidarem das medidas de higiene e prevenção necessárias para diminuir os casos do COVID.

Informações falsas sobre a doença influenciam negativamente a capacidade das pessoas se prevenirem.

“O levantamento cruzou dados de expansão da doença com o resultado na votação em 1º turno nas eleições presidenciais de 2018 nos 5.570 municípios brasileiros. Os resultados mostram que, para cada 10 pontos percentuais a mais de votos para Bolsonaro, existe aumento de 11% no número de casos de contaminação pelo novo coronavírus e de 12% no número de mortos pela doença.” Diz a matéria publicada em: https://www.poder360.com.br/coronavirus/estudo-identifica-efeito-bolsonaro-em-cidades-com-mais-casos-de-covid-19/

Ontem à tarde, pelo que foi informado, o Brasil tinha 163.368 mortes e 5.747.660 casos confirmados, dizem secretarias de Saúde.

O Ministro da Saúde, mesmo sendo pessoa alheia à área e colocado no cargo para se submeter às mais tolas vontades do presidente, discorda do Bolsonaro quando diz que COVID não é uma “gripezinha”

“O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, admitiu nesta quarta-feira (11) não estar “completamente” recuperado da covid-19 e disse ainda sentir efeitos da doença.”

(Publicado em https://br.noticias.yahoo.com/pazuello-diz-nao-estar-completamente-recuperado-da-covid-doenca-complicada-172225529.html )

“Não estou completamente recuperado, é claro. É uma doença complicada. É difícil você voltar ao normal, mas a gente já consegue trabalhar um pouquinho. É o primeiro dia de atividade no trabalho”, falou Pazuello em cerimônia no ministério.”

Não somos um país de “maricas”, Excelência. Todo mundo tem que evitar doenças, especialmente a COVID, que é potencialmente mortal, que já levou a vida de mais de 160 mil brasileiros. “Todo mundo vai morrer um dia”, mas há mortes que tem que ser evitadas. Mortes que Vossa Excelência não fez nada para evitar. Por isso, podemos acusar Vossa Excelência de negligente diante da pandemia.

Informações falsas sobre vacinação enganam a população em plena pandemia

Quando o assunto é pandemia, a ignorância ronda as redes sociais e enganar incautos.

Pós-verdade, fatos alternativos, pseudociência e teorias conspiratórias misturam-se em diferentes doses na elaboração das receitas de informações falsas que alguns espertalhões mal intencionados usam para enganar pessoas com escassos conhecimentos científicos.

A mentira corre solta, aparentemente patrocinada por setores ligados ao governo, que buscam criar ilusão e debates inúteis para desviar a atenção do fracasso do governo brasileiro no combate à pandemia.

Como é o caso da matéria publicada na página abaixo, que revela a apuração de fatos em cima de mentiras divulgadas em redes sociais e atribuídas a médicos conhecidos por seu apoio ao governo e sua política.

https://www.agazeta.com.br/brasil/medicos-nao-provaram-que-uma-vacina-precisa-de-10-anos-de-pesquisa-para-ser-segura-1120

PUBLICADO EM

Comprometidos na luta contra COVID médicos italianos pedem medidas ao governo

Luta contra a pandemia e compromisso com a verdade – organização que representa os médicos italianos reivindica ao governo da Itália lockdown total, para aumentar distanciamento social e facilitar o combate à segunda onda de COVID.

A organização que representa a classe médica italiana, agindo com lucidez, reivindicou publicamente, diante do governo da Itália, um lockdown completo para ajudar no combate à segunda onda de coronavírus.

A atitude da entidade foi uma expressão da responsabilidade da classe médica italiana e uma declaração de comprometimento legítimo com o enfrentamento da pandemia.

A informação pode ser lida em:

https://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/ansa/2020/11/09/medicos-cobram-novo-lockdown-nacional-na-italia.htm

Leia a notícia em

http://www.correiodobrasil.com.br/covid-19-medicos-cobram-novo-lockdown-nacional-italia/

“– A Ordem dos Médicos pede lockdown total em todo o país – diz uma mensagem postada pela federação em sua página no Facebook, proposta que foi reforçada pelo presidente da entidade, Filippo Anelli, à imprensa local.

A Fnomceo vem pressionando por medidas mais rígidas desde meados de outubro, quando já alertava para o risco de saturação de UTIs por todo o país.”

A pandemia ainda não acabou e é necessário decência, responsabilidade e compromisso com a verdade por parte dos profissionais de saúde.

Sindicatos norte-americanos vêem derrota de Trump como vitória dos trabalhadores

Governos como Trump e Bolsonaro tentaram, por todos os meios possíveis, enfraquecer a representatividade dos trabalhadores, para que a exploração do trabalho ficasse mais fácil. O que isso tem significado para a maioria dos trabalhadores formais e autônomos? Empregos piores, menos direitos, mais assédio moral, menos renda, menos saúde.

O movimento sindical americano, em um primeiro momento, vê razões de otimismo na derrota de Donald Trump.

Os sindicatos dos EUA querem mais proteção contra o CORONAVÍRUS e leis que garantam a saúde e a renda dos trabalhadores, além do fortalecimento da representatividade das pessoas que vivem de seu trabalho, por meio da organização dos sindicatos.

Matéria que pode ser lido nessa página retrata essa nova realidade esperada pelos sindicalistas norte-americanos:

https://www.redebrasilatual.com.br/trabalho/2020/11/sindicatos-americanos-esperam-dialogo-protecao-a-saude-e-reconstrucao/

Apesar das adversidades, podem passar anos ou décadas, mas sempre quem vive de seu trabalho vai sentir a necessidade de ter representatividade e voz ativa, de se organizar para fazer valer seus direitos e lutar por uma vida melhor.

Informações sobre COVID em Minas não estão com dados reais

Minas sem óbitos por COVID. Não é um milagre do Zema, é que o sistema de informações sobre COVID no Estado entrou em pane.

Em Minas, a diferença entre casos suspeitos e casos confirmados é imensa, o que se justifica pela falta de protocolos de testagem rigorosos e de testes disponíveis para aferir o verdadeiro tamanho da pandemia.

Há comentários em redes sociais que a derrubada do sistema de informações sobre COVID teria sido proposital, provocada pelo próprio Ministério da Saúde, para criar falsas expectativas na população sobre queda de novas infecções confirmadas e óbitos decorrentes da pandemia.

O jornal O ESTADO DE MINAS informa em:

https://www.em.com.br/app/noticia/gerais/2020/11/10/interna_gerais,1203135/covid-19-em-mg-sistema-monitoramento-sus-esta-fora-do-ar-ha-5-dias.shtml

As informações relativas à pandemia em Minas não são um dado real.

“Ocorre que não se trata de um dado real. Segundo a pasta, o total de óbitos pela doença, assim como os casos confirmados, não são atualizados corretamente desde 7 de novembro, em função de uma pane no sistema de informações do SUS, o DataSus. “