Arquivos de tags: Justiça

STJ pendeu mais a planos de saúdes do que a usuários 

Poder Judiciário favoreceu mais aos planos de saúde que a usuários de planos. Há que se notar que com aumento de desemprego e agravamento dessa situação econômica de milhões de brasileiros, planos de saúde têm perdido usuários a cada ano. Talvez seja um momento de alerta para que modifiquem os modelos de negócios deles. Na atualidade médicos prestadores de serviço e usuários têm fortes razões para questionar os planos. 

ANTONIO CRUZ/ABR

2′ 

STJ PENDEU MAIS A PLANOS DE SAÚDES DO QUE A USUÁRIOS

Ministros do Superior Tribunal de Justiça (STJ) votaram mais a favor de empresas do que dos consumidores nos processos de planos de saúde privados; os dados, levantados pelo Anuário da Justiça, consideraram votações como: se operadoras podem fornecer remédios importados sem registro da Anvisa; se é legal o reajuste da mensalidade de planos baseado na faixa etária do beneficiado; e se ex-funcionários têm direito de permanecer em plano de saúde custeado exclusivamente pelo ex-empregador

<iframe src="https://tpc.googlesyndication.com/safeframe/1-0-31/html/container.html?n=0&quot; name="1-0-31;17797;var google_casm=[];(function(){var aa="function"==typeof Object.create?Object.create:function(a){function b(){}b.prototype=a;return new b},m;if("function"==typeof Object.setPrototypeOf)m=Object.setPrototypeOf;else{var p;a:{var ba={j:!0},q={};try{q.__proto__=ba;p=q.j;break a}catch(a){}p=!1}m=p?function(a,b){a.__proto__=b;if(a.__proto__!==b)throw new TypeError(a+" is not extensible");return a}:null}var t=m,u=this,v=Date.now||function(){return+new Date};function w(a,b,c){a.addEventListener&&a.addEventListener(b,c,!1)}function x(a,b,c){a.removeEventListener&&a.removeEventListener(b,c,!1)};var ca=Array.prototype.indexOf?function(a,b){return Array.prototype.indexOf.call(a,b,void 0)}:function(a,b){if("string"==typeof a)return"string"==typeof b&&1==b.length?a.indexOf(b,0):-1;for(var c=0;c<a.length;c++)if(c in a&&a[c]===b)return c;return-1},da=Array.prototype.forEach?function(a,b){Array.prototype.forEach.call(a,b,void 0)}:function(a,b){for(var c=a.length,d="string"==typeof a?a.split(""):a,e=0;e<c;e++)e in d&&b.call(void 0,d[e],e,a)};function z(a){var b=this;this.b=!1;this.a=[];a(function(a){B(b,a)})}function B(a,b){if(!a.b)if(b instanceof z)b.then(function(b){B(a,b)});else{a.b=!0;a.c=b;for(b=0;b<a.a.length;++b)C(a,a.a[b]);a.a=[]}}function C(a,b){a.b?b(a.c):a.a.push(b)}z.prototype.then=function(a){var b=this;return new z(function(c){C(b,function(b){c(a(b))})})};function ea(a){var b=a.length,c=0;return new z(function(d){if(0==b)d([]);else for(var e=[],f={g:0};f.g<b;f={g:f.g},++f.g)a[f.g].then(function(a){return function(f){e[a.g]=f;++c==b&&d(e)}}(f))})};function D(a){return{visible:1,hidden:2,prerender:3,preview:4,unloaded:5}[a.visibilityState||a.webkitVisibilityState||a.mozVisibilityState||""]||0}function fa(a){var b;a.visibilityState?b="visibilitychange":a.mozVisibilityState?b="mozvisibilitychange":a.webkitVisibilityState&&(b="webkitvisibilitychange");return b};function E(a){E[" "](a);return a}E[" "]=function(){};function F(a,b){var c=!1,d=!1;d=void 0===d?!1:d;c=void 0===c?!1:c;a.google_image_requests||(a.google_image_requests=[]);var e=a.document.createElement("img");if(c){var f=function(){if(c){var b=a.google_image_requests,d=ca(b,e);0<=d&&Array.prototype.splice.call(b,d,1)}x(e,"load",f);x(e,"error",f)};w(e,"load",f);w(e,"error",f)}d&&(e.referrerPolicy="no-referrer");e.src=b;a.google_image_requests.push(e)};var G=null,ha=!1;function ia(a,b){return"&adurl="==a.substring(a.length-7)?a.substring(0,a.length-7)+b+"&adurl=":a+b}function H(){this.a=u.document;this.f=u;this.c=this.b=null;ja(this)}function ja(a){var b=[];if(ha){var c=new z(function(b){a.b=b});b.push(c)}else 3==D(a.a)&&b.push(ka(a));0<b.length&&(a.c=v());a.h=ea(b)}function ka(a){return new z(function(b){var c=fa(a.a);if(c){var d=function(){3!=D(a.a)&&(x(a.a,c,d),b())};G&&(d=G("di::vch",d));w(a.a,c,d)}})}function la(a){var b=H.b();/(google|doubleclick).*\/pagead\/adview/.test(a)&&(a=ia(a,"&vis="+D(b.a)));b.h.then(function(){var c=a;b.f.rvdt=b.c?v()-b.c:0;F(b.f,c)})}H.a=void 0;H.b=function(){return H.a?H.a:H.a=new H};var ma=document,na=window;function I(a){try{var b;if(b=!!a&&null!=a.location.href)a:{try{E(a.foo);b=!0;break a}catch(c){}b=!1}return b}catch(c){return!1}}function oa(a,b){if(a)for(var c in a)Object.prototype.hasOwnProperty.call(a,c)&&b.call(void 0,a[c],c,a)};var pa;pa=/^true$/.test("");var qa=!!window.google_async_iframe_id,J=qa&&window.parent||window;function K(a,b,c){c=void 0===c?{}:c;this.error=a;this.context=b.context;this.line=b.line||-1;this.msg=b.message||"";this.file=b.file||"";this.id=b.id||"jserror";this.meta=c};var ra=/^https?:\/\/(\w|-)+\.cdn\.ampproject\.(net|org)(\?|\/|$)/;function sa(a,b){this.a=a;this.b=b}function ta(a,b){this.url=a;this.i=!!b;this.depth=null};function L(){this.c="&";this.f=!1;this.b={};this.h=0;this.a=[]}function ua(a,b){var c={};c[a]=b;return[c]}function va(a,b,c,d,e){var f=[];oa(a,function(a,g){(a=wa(a,b,c,d,e))&&f.push(g+"="+a)});return f.join(b)}function wa(a,b,c,d,e){if(null==a)return"";b=b||"&";c=c||",$";"string"==typeof c&&(c=c.split(""));if(a instanceof Array){if(d=d||0,d<c.length){for(var f=[],h=0;he?encodeURIComponent(va(a,b,c,d,e+1)):"…";return encodeURIComponent(String(a))}function M(a,b,c,d){a.a.push(b);a.b[b]=ua(c,d)}function xa(a,b,c,d){b=b+"//"+c+d;var e=ya(a)-d.length;if(0>e)return"";a.a.sort(function(a,b){return a-b});d=null;c="";for(var f=0;f<a.a.length;f++)for(var h=a.a[f],g=a.b[h],k=0;k=l.length){e-=l.length;b+=l;c=a.c;break}else a.f&&(c=e,l[c-1]==a.c&&–c,b+=l.substr(0,c),c=a.c,e=0);d=null==d?h:d}}a="";null!=d&&(a=c+"trn="+d);return b+a}function ya(a){var b=1,c;for(c in a.b)b=c.length>b?c.length:b;return 3997-b-a.c.length-1};function za(a,b,c,d){if(Math.random()<(d||a.a))try{if(c instanceof L)var e=c;else e=new L,oa(c,function(a,b){var c=e,d=c.h++;a=ua(b,a);c.a.push(d);c.b[d]=a});var f=xa(e,a.f,a.b,a.c+b+"&");f&&F(u,f)}catch(h){}};var N=null;function Aa(){var a=u.performance;return a&&a.now&&a.timing?Math.floor(a.now()+a.timing.navigationStart):v()}function Ba(){var a=void 0===a?u:a;return(a=a.performance)&&a.now?a.now():null};function Ca(a,b,c){this.label=a;this.type=b;this.value=c;this.duration=0;this.uniqueId=this.label+"_"+this.type+"_"+Math.random();this.slotId=void 0};var O=u.performance,Da=!!(O&&O.mark&&O.measure&&O.clearMarks),P=function(a){var b=!1,c;return function(){b||(c=a(),b=!0);return c}}(function(){var a;if(a=Da){var b;if(null===N){N="";try{a="";try{a=u.top.location.hash}catch(c){a=u.location.hash}a&&(N=(b=a.match(/\bdeid=([\d,]+)/))?b[1]:"")}catch(c){}}b=N;a=!!b.indexOf&&0Math.random())}function Fa(a){a&&O&&P()&&(O.clearMarks("goog_"+a.uniqueId+"_start"),O.clearMarks("goog_"+a.uniqueId+"_end"))}Ea.prototype.start=function(a,b){if(!this.a)return null;var c=Ba()||Aa();a=new Ca(a,b,c);b="goog_"+a.uniqueId+"_start";O&&P()&&O.mark(b);return a};function Ga(){var a=R;this.c=Ha;this.f=this.b;this.a=void 0===a?null:a}function Ia(a,b,c,d,e){try{if(a.a&&a.a.a){var f=a.a.start(b.toString(),3);var h=c();var g=a.a;c=f;if(g.a&&"number"==typeof c.value){var k=Ba()||Aa();c.duration=k-c.value;var l="goog_"+c.uniqueId+"_end";O&&P()&&O.mark(l);g.a&&g.b.push(c)}}else h=c()}catch(n){g=!0;try{Fa(f),g=(e||a.f).call(a,b,new U(V(n),n.fileName,n.lineNumber),void 0,d)}catch(y){a.b(217,y)}if(!g)throw n;}return h}function Ja(a,b,c,d,e){var f=Ka;return function(h){for(var g=[],k=0;k<arguments.length;++k)g[k]=arguments[k];return Ia(f,a,function(){return b.apply(c,g)},d,e)}}Ga.prototype.b=function(a,b,c,d,e){e=e||"jserror";try{var f=new L;f.f=!0;M(f,1,"context",a);b.error&&b.meta&&b.id||(b=new U(V(b),b.fileName,b.lineNumber));b.msg&&M(f,2,"msg",b.msg.substring(0,512));b.file&&M(f,3,"file",b.file);0<b.line&&M(f,4,"line",b.line);var h=b.meta||{};if(d)try{d(h)}catch(S){}b=[h];f.a.push(5);f.b[5]=b;d=u;b=[];h=null;do{var g=d;if(I(g)){var k=g.location.href;h=g.document&&g.document.referrer||null}else k=h,h=null;b.push(new ta(k||""));try{d=g.parent}catch(S){d=null}}while(d&&g!=d);k=0;for(var l=b.length-1;k<=l;++k)b[k].depth=l-k;g=u;if(g.location&&g.location.ancestorOrigins&&g.location.ancestorOrigins.length==b.length-1)for(l=1;l<b.length;++l){var n=b[l];n.url||(n.url=g.location.ancestorOrigins[l-1]||"",n.i=!0)}var y=new ta(u.location.href,!1);g=null;var T=b.length-1;for(n=T;0<=n;–n){var r=b[n];!g&&ra.test(r.url)&&(g=r);if(r.url&&!r.i){y=r;break}}r=null;var Na=b.length&&b[T].url;0!=y.depth&&Na&&(r=b[T]);var A=new sa(y,r);A.b&&M(f,6,"top",A.b.url||"");M(f,7,"url",A.a.url||"");za(this.c,e,f,c)}catch(S){try{za(this.c,e,{context:"ecmserr",rctx:a,msg:V(S),url:A&&A.a.url},c)}catch(Oa){}}return!0};function V(a){var b=a.toString();a.name&&-1==b.indexOf(a.name)&&(b+=": "+a.name);a.message&&-1==b.indexOf(a.message)&&(b+=": "+a.message);if(a.stack){a=a.stack;var c=b;try{-1==a.indexOf(c)&&(a=c+"\n"+a);for(var d;a!=d;)d=a,a=a.replace(/((https?:\/..*\/)[^\/:]*:\d+(?:.|\n)*)\2/,"$1");b=a.replace(/\n */g,"\n")}catch(e){b=c}}return b}function U(a,b,c){K.call(this,Error(a),{message:a,file:void 0===b?"":b,line:void 0===c?-1:c})}var W=U;W.prototype=aa(K.prototype);W.prototype.constructor=W;if(t)t(W,K);else for(var X in K)if("prototype"!=X)if(Object.defineProperties){var La=Object.getOwnPropertyDescriptor(K,X);La&&Object.defineProperty(W,X,La)}else W[X]=K[X];W.l=K.prototype;var Ha,Ka;if(qa&&!I(J)){var Y="."+ma.domain;try{for(;2<Y.split(".").length&&!I(J);)ma.domain=Y=Y.substr(Y.indexOf(".")+1),J=window.parent}catch(a){}I(J)||(J=window)}var Q=J,R=new Ea;function Ma(){if(!Q.google_measure_js_timing){var a=R;a.a=!1;a.b!=a.c.google_js_reporting_queue&&(P()&&da(a.b,Fa),a.b.length=0)}}Ha=new function(){var a=void 0===a?na:a;this.f="http:"===a.location.protocol?"http:":"https:";this.b="pagead2.googlesyndication.com";this.c="/pagead/gen_204?id=";this.a=.01};Ka=new Ga;"complete"==Q.document.readyState?Ma():R.a&&w(Q,"load",function(){Ma()});function Z(a,b,c,d,e){return Ja(a,b,c,d,e)};G=Z;ha=pa;window.vu=Z(492,function(a){a=a.replace("&amp;","&");la(a)});window.vv=Z(494,function(){var a=H.b();if(!a.b)throw Error("aiv::err");a.b()});}).call(this);vu("https://securepubads.g.doubleclick.net/pagead/adview?ai\x3dC-9_LX44jXKKdHpSN3QGdjZ3gCJGM3_BNkc-HhoMBwI23ARABIABgzfjhgPwCggEXY2EtcHViLTczMTgwOTkwMTcyNzQ3NjbIAQmpAuxPHLDnL5E-4AIAqAMBqgSNAk_QOmX0HyxR-eakgw_bFBncWI9Km9zekgPbRmfMIoH1CMatkbEKJy3OmPKCD1MIv00AwPZvxGlMcAPkzuFqnpI_QK1m5d3mDBQmk8nTkGNhmavCQ65GQqnrNjBZ6JZTzmOmjTHXuuKqVzasAhnE4lujk0uJDbUYG-29jrHpcH61_dUz2JU7OKHfXuF4zVITO8rqzUxHWJPJc_pw-0Vkjec6rcKEqKa4924wuX7CAJHpMzI5h1wJpCljhZBedjIsgFwVNv-8dMCaBqui1z8KeiMrhIB8g80855uaVhK6XeNB_qUzWrQY6n6pVWIYod4KjLSoVkwcrNYoMqj5dDfcmYXCVtbsKhV7LBOFOv2_4AQBgAapiI_gltz-kFmgBiGoB6a-G6gH2csbqAfPzBvYBwDSCAUIgAEQAQ\x26sigh\x3dOraDc373LuE\x26tpd\x3dAGWhJmv5ljL7SIjhaBKtSZ54w6pEXcsN8vpsq58JtU3sWClaqw")vu("https://tags.mathtag.com/notify/img?id\x3d5aW95q2jLzE1LyAvTWpBeVpUVmlaREF0WVRaa01pMDBNREF3TFdFeU9URXRNelF5Tnpaak5tWm1NR016Lzg4MDcwNDY2NjY1NjUwNzk5MDMvNjE1MTEzNC8zOTQ0MTc4LzQvN1JPdDZVVXl6QkdpdDNYQlJtTWNySWU3MUUxcEhkbzFhN2lRZF9ZdWFKSS8xLzQvMC8wLzg3MjU0Ny8zMTM3MTcxNDU2LzE5MTk1OS81NTg4NDcvNC9hbToxMzcxMzkzLzAvTWpBeVpUVmlaREF0WVRaa01pMDBNREF3TFdFeU9URXRNelF5Tnpaak5tWm1NR016LzAvMC8wLzAvMC84ODA3MDQ2NjY2NTY1MDc5OTAzL2V3ci8wLw/9NhaYMwvg0zcRg_oLoznIF8yKyk\x26nodeid\x3d1000\x26auctionid\x3d8807046666565079903\x26exch\x3dadx\x26sid\x3d3944178\x26cid\x3d6151134\x26price\x3dXCOOXwAHjqIKN0aUAAdGnX2fE66OzLOvTUPQ3w\x26act\x3dLiIiJiQocH1rPSwuJCMqcHxrKy5wfGshIioqJCMqcHw\x26group\x3dus-east\x26bp\x3df_bjagaj\x263pck\x3dhttps://adclick.g.doubleclick.net/aclk%3Fsa%3DL%26ai%3DC-9_LX44jXKKdHpSN3QGdjZ3gCJGM3_BNkc-HhoMBwI23ARABIABgzfjhgPwCggEXY2EtcHViLTczMTgwOTkwMTcyNzQ3NjbIAQmpAuxPHLDnL5E-4AIAqAMBqgSNAk_QOmX0HyxR-eakgw_bFBncWI9Km9zekgPbRmfMIoH1CMatkbEKJy3OmPKCD1MIv00AwPZvxGlMcAPkzuFqnpI_QK1m5d3mDBQmk8nTkGNhmavCQ65GQqnrNjBZ6JZTzmOmjTHXuuKqVzasAhnE4lujk0uJDbUYG-29jrHpcH61_dUz2JU7OKHfXuF4zVITO8rqzUxHWJPJc_pw-0Vkjec6rcKEqKa4924wuX7CAJHpMzI5h1wJpCljhZBedjIsgFwVNv-8dMCaBqui1z8KeiMrhIB8g80855uaVhK6XeNB_qUzWrQY6n6pVWIYod4KjLSoVkwcrNYoMqj5dDfcmYXCVtbsKhV7LBOFOv2_4AQBgAapiI_gltz-kFmgBiGoB6a-G6gH2csbqAfPzBvYBwDSCAUIgAEQAQ%26num%3D1%26sig%3DAOD64_0gWSlkxK8dxI0sdYr7WzxDbIDHQg%26client%3Dca-pub-7318099017274766%26adurl%3D\x26sid\x3d3944178\x26cid\x3d6151134\x26src\x3dimp")https://tags.mathtag.com/notify/js?id=5aW95q2jLzE1LyAvTWpBeVpUVmlaREF0WVRaa01pMDBNREF3TFdFeU9URXRNelF5Tnpaak5tWm1NR016Lzg4MDcwNDY2NjY1NjUwNzk5MDMvNjE1MTEzNC8zOTQ0MTc4LzQvN1JPdDZVVXl6QkdpdDNYQlJtTWNyUGx3cGgwVzBFOFlFLXNGQ2ltOEhVay8xLzQvMC8wLzg3MjU0Ny8zMTM3MTcxNDU2LzE5MTk1OS81NTg4NDcvNC8wLzAvTWpBeVpUVmlaREF0WVRaa01pMDBNREF3TFdFeU9URXRNelF5Tnpaak5tWm1NR016LzAvMC8wLzAvMC84ODA3MDQ2NjY2NTY1MDc5OTAzL2V3ci8wLw/htFx9XaeSv0mBBodGG1arTcFRCA&nodeid=1000&auctionid=8807046666565079903&exch=adx&sid=3944178&cid=6151134&act=LiIiJiQocHxrPSwuJCMqcH1rKy5wfWshIioqJCMqcH0&group=us-east&bp=f_bjagaj&3pck=https://adclick.g.doubleclick.net/aclk%3Fsa%3DL%26ai%3DC-9_LX44jXKKdHpSN3QGdjZ3gCJGM3_BNkc-HhoMBwI23ARABIABgzfjhgPwCggEXY2EtcHViLTczMTgwOTkwMTcyNzQ3NjbIAQmpAuxPHLDnL5E-4AIAqAMBqgSNAk_QOmX0HyxR-eakgw_bFBncWI9Km9zekgPbRmfMIoH1CMatkbEKJy3OmPKCD1MIv00AwPZvxGlMcAPkzuFqnpI_QK1m5d3mDBQmk8nTkGNhmavCQ65GQqnrNjBZ6JZTzmOmjTHXuuKqVzasAhnE4lujk0uJDbUYG-29jrHpcH61_dUz2JU7OKHfXuF4zVITO8rqzUxHWJPJc_pw-0Vkjec6rcKEqKa4924wuX7CAJHpMzI5h1wJpCljhZBedjIsgFwVNv-8dMCaBqui1z8KeiMrhIB8g80855uaVhK6XeNB_qUzWrQY6n6pVWIYod4KjLSoVkwcrNYoMqj5dDfcmYXCVtbsKhV7LBOFOv2_4AQBgAapiI_gltz-kFmgBiGoB6a-G6gH2csbqAfPzBvYBwDSCAUIgAEQAQ%26num%3D1%26sig%3DAOD64_0gWSlkxK8dxI0sdYr7WzxDbIDHQg%26client%3Dca-pub-7318099017274766%26adurl%3Dhttps://tpc.googlesyndication.com/pagead/js/r20181205/r20110914/client/ext/m_window_focus_non_hydra.jsfunction initWindowFocus() {window[‘window_focus_for_click’] =wfocusnhinit("https://googleads.g.doubleclick.net/pagead/conversion/?ai\x3dC-9_LX44jXKKdHpSN3QGdjZ3gCJGM3_BNkc-HhoMBwI23ARABIABgzfjhgPwCggEXY2EtcHViLTczMTgwOTkwMTcyNzQ3NjbIAQmpAuxPHLDnL5E-4AIAqAMBqgSNAk_QOmX0HyxR-eakgw_bFBncWI9Km9zekgPbRmfMIoH1CMatkbEKJy3OmPKCD1MIv00AwPZvxGlMcAPkzuFqnpI_QK1m5d3mDBQmk8nTkGNhmavCQ65GQqnrNjBZ6JZTzmOmjTHXuuKqVzasAhnE4lujk0uJDbUYG-29jrHpcH61_dUz2JU7OKHfXuF4zVITO8rqzUxHWJPJc_pw-0Vkjec6rcKEqKa4924wuX7CAJHpMzI5h1wJpCljhZBedjIsgFwVNv-8dMCaBqui1z8KeiMrhIB8g80855uaVhK6XeNB_qUzWrQY6n6pVWIYod4KjLSoVkwcrNYoMqj5dDfcmYXCVtbsKhV7LBOFOv2_4AQBgAapiI_gltz-kFmgBiGoB6a-G6gH2csbqAfPzBvYBwDSCAUIgAEQAQ\x26sigh\x3ddDXQVoNqg68","X44jXJaEG8bNhQbNpr6YDw","COLIwtnYvd8CFZRGNwodnUYHjA");}if (window.wfocusnhinit) {initWindowFocus();} else {window[‘google_wf_async’] = initWindowFocus;}https://pagead2.googlesyndication.com/pagead/s/cookie_push.html#aHR0cHM6Ly9pbWFnZTYucHVibWF0aWMuY29tL0FkU2VydmVyL1VDb29raWVTZXRQdWc_b2lkPTEmcmQ9aHR0cHMlM0ElMkYlMkZjbS5nLmRvdWJsZWNsaWNrLm5ldCUyRnBpeGVsJTNGZ29vZ2xlX25pZCUzRHBtZWIlMjZnb29nbGVfc2MlM0QxJTI2Z29vZ2xlX2htJTNEJTIzJTIzQjY0XzE2Ql9QTV9VSUQlMjZnb29nbGVfcmVkaXIlM0RodHRwcyUyNTI1M0ElMjUyNTJGJTI1MjUyRmltYWdlOC5wdWJtYXRpYy5jb20lMjUyNTJGQWRTZXJ2ZXIlMjUyNTJGSW1nU3luYyUyNTI1M0ZzZWMlMjUyNTNEMSUyNTI1MjZwJTI1MjUzRDE1NjU3OCUyNTI1MjZwdSUyNTI1M0RodHRwcyUyNTI1MjUzQSUyNTI1MjUyRiUyNTI1MjUyRmltYWdlNC5wdWJtYXRpYy5jb20lMjUyNTI1MkZBZFNlcnZlciUyNTI1MjUyRlNQdWclMjUyNTI1M0ZwJTI1MjUyNTNEMTU2NTc4JTI1MjUyNTI2c2MlMjUyNTI1M0QxJmdvb2dsZV9naWQ9Q0FFU0VKb2NCdjYtQ0xNdXFRbEZ2RVZWMThnJmdvb2dsZV9jdmVyPTEmZ29vZ2xlX3B1c2g9QUhORjEzTG9KVXFFVjVodXVRRC03SDNEYnFtbmtXMGg3MWtGaFdvVmM5Tm1GMXM=,aHR0cHM6Ly9jbS5nLmRvdWJsZWNsaWNrLm5ldC9waXhlbC9hdHRyP2Q9QUhORjEzTGs4ekZXbFRDX3cxSDlOdHZ1RGN1T2Z4cXNLZnZlhttps://tpc.googlesyndication.com/pagead/js/r20181205/r20110914/client/ext/m_qs_click_protection.jsgoogqscp.init([[[[null,1000,99,2,4,null,null,null,1],[null,500,99,2,9,null,null,null,1]]],null,null,null,null,null,null,null,0]);if (window.top && window.top.postMessage) {window.top.postMessage(‘{"googMsgType":"adpnt"}’,’*’);}

(function(){function e(a){return"number"==typeof a}function f(a,b,c){return a.call.apply(a.bind,arguments)}function g(a,b,c){if(!a)throw Error();if(2=b||0>=c||0>l||0>d?!0:l>=this.a.left&&b-l>=this.a.right&&d>=this.a.top&&c-d>=this.a.bottom}b||(a.preventDefault?a.preventDefault():a.returnValue=!1)};function m(a,b){b||(b="");b=new k(b);b.b=a;a=b.b;var c=h(b.c,b);a.addEventListener&&a.addEventListener("click",c,!1);return b}var n=["googleInitIc"],p=this;n[0]in p||"undefined"==typeof p.execScript||p.execScript("var "+n[0]);for(var q;n.length&&(q=n.shift());){var r;if(r=!n.length)r=void 0!==m;r?p[q]=m:p[q]&&p[q]!==Object.prototype[q]?p=p[q]:p=p[q]={}};}).call(this);googleInitIc(document.body,’10,10,10,10′);{"uid":0.4723798108774331,"hostPeerName":"https://amp-brasil247-com.cdn.ampproject.org","initialGeometry":"{\"windowCoords_t\":0,\"windowCoords_r\":360,\"windowCoords_b\":517,\"windowCoords_l\":0,\"frameCoords_t\":826,\"frameCoords_r\":330,\"frameCoords_b\":1426,\"frameCoords_l\":30,\"posCoords_t\":826,\"posCoords_b\":1426,\"posCoords_r\":330,\"posCoords_l\":30,\"styleZIndex\":\"\",\"allowedExpansion_r\":60,\"allowedExpansion_b\":-83,\"allowedExpansion_t\":0,\"allowedExpansion_l\":0,\"yInView\":0,\"xInView\":1}","permissions":"{\"expandByOverlay\":true,\"expandByPush\":true,\"readCookie\":false,\"writeCookie\":false}","metadata":"{\"shared\":{\"sf_ver\":\"1-0-31\",\"ck_on\":1,\"flash_ver\":\"26.0.0\",\"canonical_url\":\"https://www.brasil247.com/pt/247/brasil/378598/STJ-pendeu-mais-a-planos-de-sa%C3%BAdes-do-que-a-usu%C3%A1rios.htm\",\"amp\":{\"canonical_url\":\"https://www.brasil247.com/pt/247/brasil/378598/STJ-pendeu-mais-a-planos-de-sa%C3%BAdes-do-que-a-usu%C3%A1rios.htm\"}}}","reportCreativeGeometry":false,"isDifferentSourceWindow":false,"sentinel":"0-2138677577657249558","width":336,"height":600,"_context":{"ampcontextVersion":"1812131718380","ampcontextFilepath":"https://3p.ampproject.net/1812131718380/ampcontext-v0.js","sourceUrl":"http://amp.brasil247.com/pt/247/brasil/378598#referrer=https%3A%2F%2Fwww.google.com&amp_tf=Fonte%3A%20%251%24s","referrer":"https://www.google.com","canonicalUrl":"https://www.brasil247.com/pt/247/brasil/378598/STJ-pendeu-mais-a-planos-de-sa%C3%BAdes-do-que-a-usu%C3%A1rios.htm","pageViewId":"4527","location":{"href":"https://amp-brasil247-com.cdn.ampproject.org/v/amp.brasil247.com/pt/247/brasil/378598?amp_js_v=a2&amp_gsa=1#referrer=https%3A%2F%2Fwww.google.com&amp_tf=Fonte%3A%20%251%24s"},"startTime":1545834008073,"tagName":"AMP-AD","mode":{"localDev":false,"development":false,"minified":true,"lite":false,"test":false,"version":"1812131718380","rtvVersion":"011812131718380"},"canary":false,"hidden":false,"initialLayoutRect":{"left":12,"top":826,"width":336,"height":600},"initialIntersection":{"time":3007.1000000461936,"rootBounds":{"left":0,"top":0,"width":360,"height":517,"bottom":517,"right":360,"x":0,"y":0},"boundingClientRect":{"left":12,"top":826,"width":336,"height":600,"bottom":1426,"right":348,"x":12,"y":826},"intersectionRect":{"left":0,"top":0,"width":0,"height":0,"bottom":0,"right":0,"x":0,"y":0},"intersectionRatio":0},"domFingerprint":"2826536240","experimentToggles":{"canary":false,"expAdsenseA4A":false,"a4aProfilingRate":false,"ad-type-custom":true,"amp-access-iframe":true,"amp-apester-media":true,"amp-ima-video":true,"amp-playbuzz":true,"chunked-amp":true,"amp-auto-ads":true,"amp-auto-ads-adsense-holdout":false,"amp-auto-ads-adsense-responsive":false,"version-locking":true,"as-use-attr-for-format":false,"a4aFastFetchDoubleclickLaunched":false,"a4aFastFetchAdSenseLaunched":false,"pump-early-frame":true,"amp-live-list-sorting":true,"amp-sidebar toolbar":true,"amp-consent":true,"amp-story-responsive-units":true,"amp-story-v1":true,"expAdsenseUnconditionedCanonical":false,"expAdsenseCanonical":false,"font-display-swap":true,"amp-date-picker":true,"linker-meta-opt-in":true,"user-error-reporting":true,"no-initial-intersection":true,"no-sync-xhr-in-ads":true,"doubleclickSraExp":false,"doubleclickSraReportExcludedBlock":false,"inabox-rov":true,"ampdoc-closest":false,"linker-form":true,"scroll-height-bounce":false,"scroll-height-minheight":false,"hidden-mutation-observer":true,"sandbox-ads":true},"sentinel":"0-2138677577657249558"}}” height=”600″ width=”300″ data-amp-3p-sentinel=”0-2138677577657249558″ allow=”sync-xhr ‘none’;” frameborder=”0″ allowfullscreen=”” allowtransparency=”” scrolling=”no” marginwidth=”0″ marginheight=”0″ sandbox=”allow-top-navigation-by-user-activation allow-popups-to-escape-sandbox allow-forms allow-modals allow-pointer-lock allow-popups allow-same-origin allow-scripts” class=”i-amphtml-fill-content” id=”google_ads_iframe_1″ style=”margin: auto; display: block; height: 600px; max-height: 100%; max-width: 100%; min-height: 0px; min-width: 0px; width: 300px; transform: translate(-50%, -50%); top: 0px; left: 0px; position: absolute; bottom: 0px; right: 0px; border-width: 0px !important; border-style: initial !important; padding: 0px !important;”>

26 de Dezembro de 2018 às 07:35 // Inscreva-se na TV 247

247 – O primeiro Anuário da Justiça Suplementar divulga um dado emblemático: os ministros do Superior Tribunal de Justiça (STJ) votaram mais a favor de empresas do que dos consumidores nos processos que envolvem planos de saúde privados. Os processos foram julgados pela corte e 2018. O estudo considerou votações como: se operadoras podem fornecer remédios importados sem registro da Anvisa; se é legal o reajuste da mensalidade de planos baseado na faixa etária do beneficiado; e se ex-funcionários têm direito de permanecer em plano de saúde custeado exclusivamente pelo ex-empregador.

<iframe src="https://tpc.googlesyndication.com/safeframe/1-0-31/html/container.html?n=0&quot; name="1-0-31;11656;https://tpc.googlesyndication.com/safeframe/1-0-31/js/ext.js(function(){var aa="function"==typeof Object.create?Object.create:function(a){function b(){}b.prototype=a;return new b},m;if("function"==typeof Object.setPrototypeOf)m=Object.setPrototypeOf;else{var p;a:{var ba={j:!0},q={};try{q.__proto__=ba;p=q.j;break a}catch(a){}p=!1}m=p?function(a,b){a.__proto__=b;if(a.__proto__!==b)throw new TypeError(a+" is not extensible");return a}:null}var t=m,u=this,v=Date.now||function(){return+new Date};function w(a,b,c){a.addEventListener&&a.addEventListener(b,c,!1)}function x(a,b,c){a.removeEventListener&&a.removeEventListener(b,c,!1)};var ca=Array.prototype.indexOf?function(a,b){return Array.prototype.indexOf.call(a,b,void 0)}:function(a,b){if("string"==typeof a)return"string"==typeof b&&1==b.length?a.indexOf(b,0):-1;for(var c=0;c<a.length;c++)if(c in a&&a[c]===b)return c;return-1},da=Array.prototype.forEach?function(a,b){Array.prototype.forEach.call(a,b,void 0)}:function(a,b){for(var c=a.length,d="string"==typeof a?a.split(""):a,e=0;e<c;e++)e in d&&b.call(void 0,d[e],e,a)};function z(a){var b=this;this.b=!1;this.a=[];a(function(a){B(b,a)})}function B(a,b){if(!a.b)if(b instanceof z)b.then(function(b){B(a,b)});else{a.b=!0;a.c=b;for(b=0;b<a.a.length;++b)C(a,a.a[b]);a.a=[]}}function C(a,b){a.b?b(a.c):a.a.push(b)}z.prototype.then=function(a){var b=this;return new z(function(c){C(b,function(b){c(a(b))})})};function ea(a){var b=a.length,c=0;return new z(function(d){if(0==b)d([]);else for(var e=[],f={g:0};f.g<b;f={g:f.g},++f.g)a[f.g].then(function(a){return function(f){e[a.g]=f;++c==b&&d(e)}}(f))})};function D(a){return{visible:1,hidden:2,prerender:3,preview:4,unloaded:5}[a.visibilityState||a.webkitVisibilityState||a.mozVisibilityState||""]||0}function fa(a){var b;a.visibilityState?b="visibilitychange":a.mozVisibilityState?b="mozvisibilitychange":a.webkitVisibilityState&&(b="webkitvisibilitychange");return b};function E(a){E[" "](a);return a}E[" "]=function(){};function F(a,b){var c=!1,d=!1;d=void 0===d?!1:d;c=void 0===c?!1:c;a.google_image_requests||(a.google_image_requests=[]);var e=a.document.createElement("img");if(c){var f=function(){if(c){var b=a.google_image_requests,d=ca(b,e);0<=d&&Array.prototype.splice.call(b,d,1)}x(e,"load",f);x(e,"error",f)};w(e,"load",f);w(e,"error",f)}d&&(e.referrerPolicy="no-referrer");e.src=b;a.google_image_requests.push(e)};var G=null,ha=!1;function ia(a,b){return"&adurl="==a.substring(a.length-7)?a.substring(0,a.length-7)+b+"&adurl=":a+b}function H(){this.a=u.document;this.f=u;this.c=this.b=null;ja(this)}function ja(a){var b=[];if(ha){var c=new z(function(b){a.b=b});b.push(c)}else 3==D(a.a)&&b.push(ka(a));0<b.length&&(a.c=v());a.h=ea(b)}function ka(a){return new z(function(b){var c=fa(a.a);if(c){var d=function(){3!=D(a.a)&&(x(a.a,c,d),b())};G&&(d=G("di::vch",d));w(a.a,c,d)}})}function la(a){var b=H.b();/(google|doubleclick).*\/pagead\/adview/.test(a)&&(a=ia(a,"&vis="+D(b.a)));b.h.then(function(){var c=a;b.f.rvdt=b.c?v()-b.c:0;F(b.f,c)})}H.a=void 0;H.b=function(){return H.a?H.a:H.a=new H};var ma=document,na=window;function I(a){try{var b;if(b=!!a&&null!=a.location.href)a:{try{E(a.foo);b=!0;break a}catch(c){}b=!1}return b}catch(c){return!1}}function oa(a,b){if(a)for(var c in a)Object.prototype.hasOwnProperty.call(a,c)&&b.call(void 0,a[c],c,a)};var pa;pa=/^true$/.test("");var qa=!!window.google_async_iframe_id,J=qa&&window.parent||window;function K(a,b,c){c=void 0===c?{}:c;this.error=a;this.context=b.context;this.line=b.line||-1;this.msg=b.message||"";this.file=b.file||"";this.id=b.id||"jserror";this.meta=c};var ra=/^https?:\/\/(\w|-)+\.cdn\.ampproject\.(net|org)(\?|\/|$)/;function sa(a,b){this.a=a;this.b=b}function ta(a,b){this.url=a;this.i=!!b;this.depth=null};function L(){this.c="&";this.f=!1;this.b={};this.h=0;this.a=[]}function ua(a,b){var c={};c[a]=b;return[c]}function va(a,b,c,d,e){var f=[];oa(a,function(a,g){(a=wa(a,b,c,d,e))&&f.push(g+"="+a)});return f.join(b)}function wa(a,b,c,d,e){if(null==a)return"";b=b||"&";c=c||",$";"string"==typeof c&&(c=c.split(""));if(a instanceof Array){if(d=d||0,d<c.length){for(var f=[],h=0;he?encodeURIComponent(va(a,b,c,d,e+1)):"…";return encodeURIComponent(String(a))}function M(a,b,c,d){a.a.push(b);a.b[b]=ua(c,d)}function xa(a,b,c,d){b=b+"//"+c+d;var e=ya(a)-d.length;if(0>e)return"";a.a.sort(function(a,b){return a-b});d=null;c="";for(var f=0;f<a.a.length;f++)for(var h=a.a[f],g=a.b[h],k=0;k=l.length){e-=l.length;b+=l;c=a.c;break}else a.f&&(c=e,l[c-1]==a.c&&–c,b+=l.substr(0,c),c=a.c,e=0);d=null==d?h:d}}a="";null!=d&&(a=c+"trn="+d);return b+a}function ya(a){var b=1,c;for(c in a.b)b=c.length>b?c.length:b;return 3997-b-a.c.length-1};function za(a,b,c,d){if(Math.random()<(d||a.a))try{if(c instanceof L)var e=c;else e=new L,oa(c,function(a,b){var c=e,d=c.h++;a=ua(b,a);c.a.push(d);c.b[d]=a});var f=xa(e,a.f,a.b,a.c+b+"&");f&&F(u,f)}catch(h){}};var N=null;function Aa(){var a=u.performance;return a&&a.now&&a.timing?Math.floor(a.now()+a.timing.navigationStart):v()}function Ba(){var a=void 0===a?u:a;return(a=a.performance)&&a.now?a.now():null};function Ca(a,b,c){this.label=a;this.type=b;this.value=c;this.duration=0;this.uniqueId=this.label+"_"+this.type+"_"+Math.random();this.slotId=void 0};var O=u.performance,Da=!!(O&&O.mark&&O.measure&&O.clearMarks),P=function(a){var b=!1,c;return function(){b||(c=a(),b=!0);return c}}(function(){var a;if(a=Da){var b;if(null===N){N="";try{a="";try{a=u.top.location.hash}catch(c){a=u.location.hash}a&&(N=(b=a.match(/\bdeid=([\d,]+)/))?b[1]:"")}catch(c){}}b=N;a=!!b.indexOf&&0Math.random())}function Fa(a){a&&O&&P()&&(O.clearMarks("goog_"+a.uniqueId+"_start"),O.clearMarks("goog_"+a.uniqueId+"_end"))}Ea.prototype.start=function(a,b){if(!this.a)return null;var c=Ba()||Aa();a=new Ca(a,b,c);b="goog_"+a.uniqueId+"_start";O&&P()&&O.mark(b);return a};function Ga(){var a=R;this.c=Ha;this.f=this.b;this.a=void 0===a?null:a}function Ia(a,b,c,d,e){try{if(a.a&&a.a.a){var f=a.a.start(b.toString(),3);var h=c();var g=a.a;c=f;if(g.a&&"number"==typeof c.value){var k=Ba()||Aa();c.duration=k-c.value;var l="goog_"+c.uniqueId+"_end";O&&P()&&O.mark(l);g.a&&g.b.push(c)}}else h=c()}catch(n){g=!0;try{Fa(f),g=(e||a.f).call(a,b,new U(V(n),n.fileName,n.lineNumber),void 0,d)}catch(y){a.b(217,y)}if(!g)throw n;}return h}function Ja(a,b,c,d,e){var f=Ka;return function(h){for(var g=[],k=0;k<arguments.length;++k)g[k]=arguments[k];return Ia(f,a,function(){return b.apply(c,g)},d,e)}}Ga.prototype.b=function(a,b,c,d,e){e=e||"jserror";try{var f=new L;f.f=!0;M(f,1,"context",a);b.error&&b.meta&&b.id||(b=new U(V(b),b.fileName,b.lineNumber));b.msg&&M(f,2,"msg",b.msg.substring(0,512));b.file&&M(f,3,"file",b.file);0<b.line&&M(f,4,"line",b.line);var h=b.meta||{};if(d)try{d(h)}catch(S){}b=[h];f.a.push(5);f.b[5]=b;d=u;b=[];h=null;do{var g=d;if(I(g)){var k=g.location.href;h=g.document&&g.document.referrer||null}else k=h,h=null;b.push(new ta(k||""));try{d=g.parent}catch(S){d=null}}while(d&&g!=d);k=0;for(var l=b.length-1;k<=l;++k)b[k].depth=l-k;g=u;if(g.location&&g.location.ancestorOrigins&&g.location.ancestorOrigins.length==b.length-1)for(l=1;l<b.length;++l){var n=b[l];n.url||(n.url=g.location.ancestorOrigins[l-1]||"",n.i=!0)}var y=new ta(u.location.href,!1);g=null;var T=b.length-1;for(n=T;0<=n;–n){var r=b[n];!g&&ra.test(r.url)&&(g=r);if(r.url&&!r.i){y=r;break}}r=null;var Na=b.length&&b[T].url;0!=y.depth&&Na&&(r=b[T]);var A=new sa(y,r);A.b&&M(f,6,"top",A.b.url||"");M(f,7,"url",A.a.url||"");za(this.c,e,f,c)}catch(S){try{za(this.c,e,{context:"ecmserr",rctx:a,msg:V(S),url:A&&A.a.url},c)}catch(Oa){}}return!0};function V(a){var b=a.toString();a.name&&-1==b.indexOf(a.name)&&(b+=": "+a.name);a.message&&-1==b.indexOf(a.message)&&(b+=": "+a.message);if(a.stack){a=a.stack;var c=b;try{-1==a.indexOf(c)&&(a=c+"\n"+a);for(var d;a!=d;)d=a,a=a.replace(/((https?:\/..*\/)[^\/:]*:\d+(?:.|\n)*)\2/,"$1");b=a.replace(/\n */g,"\n")}catch(e){b=c}}return b}function U(a,b,c){K.call(this,Error(a),{message:a,file:void 0===b?"":b,line:void 0===c?-1:c})}var W=U;W.prototype=aa(K.prototype);W.prototype.constructor=W;if(t)t(W,K);else for(var X in K)if("prototype"!=X)if(Object.defineProperties){var La=Object.getOwnPropertyDescriptor(K,X);La&&Object.defineProperty(W,X,La)}else W[X]=K[X];W.l=K.prototype;var Ha,Ka;if(qa&&!I(J)){var Y="."+ma.domain;try{for(;2<Y.split(".").length&&!I(J);)ma.domain=Y=Y.substr(Y.indexOf(".")+1),J=window.parent}catch(a){}I(J)||(J=window)}var Q=J,R=new Ea;function Ma(){if(!Q.google_measure_js_timing){var a=R;a.a=!1;a.b!=a.c.google_js_reporting_queue&&(P()&&da(a.b,Fa),a.b.length=0)}}Ha=new function(){var a=void 0===a?na:a;this.f="http:"===a.location.protocol?"http:":"https:";this.b="pagead2.googlesyndication.com";this.c="/pagead/gen_204?id=";this.a=.01};Ka=new Ga;"complete"==Q.document.readyState?Ma():R.a&&w(Q,"load",function(){Ma()});function Z(a,b,c,d,e){return Ja(a,b,c,d,e)};G=Z;ha=pa;window.vu=Z(492,function(a){a=a.replace("&amp;","&");la(a)});window.vv=Z(494,function(){var a=H.b();if(!a.b)throw Error("aiv::err");a.b()});}).call(this);vu("https://securepubads.g.doubleclick.net/pcs/view?xai\x3dAKAOjsuyN7v5X2WcMZ4qnsVDdtDJ3wZph4fAr7GaodH0oZKN6LAgaYxhDr35kce7MfC_CoPWBxP-iRJRo8wLLNHpgCB2Vtl5J0qXuVXKGpu-b6T-fMeGGcgFyvz6MWte5_aztxWrTbLwJLsVMRRwYQ415yPo0CKn1X-KtUAYgAroZjgkLi-CCAHRc8EnQTrqN9Ats31K7fu_vauJSPjmTYO4WMbJiOOLcF8VxcwR0CQG9LcmWZksBuUU6cs1GdIfJh3Nnk_rIxyfgnmwae6L9AI\x26sig\x3dCg0ArKJSzIySzU34Yt_hEAE\x26urlfix\x3d1\x26adurl\x3d")

//www.googletagservices.com/tag/js/gpt.js

var adunitTargetingFromMacro = {"abtesting":["Z"],"adorder":["amp_2"],"contentgroup":["article_deeplinking"],"extends":["null"],"level":["1"],"marfeeltype":["M"],"mode":["fastfetch"],"mrfenv":["browser"],"ms":["300×600","320×480","336×280","300×300","300×250","300×100","320×50"],"platform":["marfeel"],"position":["2"],"section":["capa"],"tenant":["www.brasil247.com"],"userchannel":["amp"],"virtualpage":["2"]};
var pageUrlFromMacro = "https://www.brasil247.com/pt/247/brasil/378598/STJ-pendeu-mais-a-planos-de-sa%C3%BAdes-do-que-a-usu%C3%A1rios.htm&quot;;

https://bc.marfeelcache.com/atomic/www.brasil247.com/index?bn=19906

https://alexandria.marfeelcdn.com/varys/statics/15/dist/varys.js

{"uid":0.4259272648941106,"hostPeerName":"https://amp-brasil247-com.cdn.ampproject.org","initialGeometry":"{\"windowCoords_t\":0,\"windowCoords_r\":360,\"windowCoords_b\":573,\"windowCoords_l\":0,\"frameCoords_t\":2305.5,\"frameCoords_r\":330,\"frameCoords_b\":2905.5,\"frameCoords_l\":30,\"posCoords_t\":1985,\"posCoords_b\":2585,\"posCoords_r\":330,\"posCoords_l\":30,\"styleZIndex\":\"\",\"allowedExpansion_r\":60,\"allowedExpansion_b\":-27,\"allowedExpansion_t\":0,\"allowedExpansion_l\":0,\"yInView\":0,\"xInView\":1}","permissions":"{\"expandByOverlay\":true,\"expandByPush\":true,\"readCookie\":false,\"writeCookie\":false}","metadata":"{\"shared\":{\"sf_ver\":\"1-0-31\",\"ck_on\":1,\"flash_ver\":\"26.0.0\",\"canonical_url\":\"https://www.brasil247.com/pt/247/brasil/378598/STJ-pendeu-mais-a-planos-de-sa%C3%BAdes-do-que-a-usu%C3%A1rios.htm\",\"amp\":{\"canonical_url\":\"https://www.brasil247.com/pt/247/brasil/378598/STJ-pendeu-mais-a-planos-de-sa%C3%BAdes-do-que-a-usu%C3%A1rios.htm\"}}}","reportCreativeGeometry":false,"isDifferentSourceWindow":false,"sentinel":"0-25420037202096279598","width":336,"height":600,"_context":{"ampcontextVersion":"1812131718380","ampcontextFilepath":"https://3p.ampproject.net/1812131718380/ampcontext-v0.js","sourceUrl":"http://amp.brasil247.com/pt/247/brasil/378598#referrer=https%3A%2F%2Fwww.google.com&amp_tf=Fonte%3A%20%251%24s","referrer":"https://www.google.com","canonicalUrl":"https://www.brasil247.com/pt/247/brasil/378598/STJ-pendeu-mais-a-planos-de-sa%C3%BAdes-do-que-a-usu%C3%A1rios.htm","pageViewId":"4527","location":{"href":"https://amp-brasil247-com.cdn.ampproject.org/v/amp.brasil247.com/pt/247/brasil/378598?amp_js_v=a2&amp_gsa=1#referrer=https%3A%2F%2Fwww.google.com&amp_tf=Fonte%3A%20%251%24s"},"startTime":1545834016933,"tagName":"AMP-AD","mode":{"localDev":false,"development":false,"minified":true,"lite":false,"test":false,"version":"1812131718380","rtvVersion":"011812131718380"},"canary":false,"hidden":false,"initialLayoutRect":{"left":30,"top":1985,"width":300,"height":600},"initialIntersection":{"time":11864.300000015646,"rootBounds":{"left":0,"top":0,"width":360,"height":573,"bottom":573,"right":360,"x":0,"y":0},"boundingClientRect":{"left":30,"top":1664.5,"width":300,"height":600,"bottom":2264.5,"right":330,"x":30,"y":1664.5},"intersectionRect":{"left":0,"top":0,"width":0,"height":0,"bottom":0,"right":0,"x":0,"y":0},"intersectionRatio":0},"domFingerprint":"816185603","experimentToggles":{"canary":false,"expAdsenseA4A":false,"a4aProfilingRate":false,"ad-type-custom":true,"amp-access-iframe":true,"amp-apester-media":true,"amp-ima-video":true,"amp-playbuzz":true,"chunked-amp":true,"amp-auto-ads":true,"amp-auto-ads-adsense-holdout":false,"amp-auto-ads-adsense-responsive":false,"version-locking":true,"as-use-attr-for-format":false,"a4aFastFetchDoubleclickLaunched":false,"a4aFastFetchAdSenseLaunched":false,"pump-early-frame":true,"amp-live-list-sorting":true,"amp-sidebar toolbar":true,"amp-consent":true,"amp-story-responsive-units":true,"amp-story-v1":true,"expAdsenseUnconditionedCanonical":false,"expAdsenseCanonical":false,"font-display-swap":true,"amp-date-picker":true,"linker-meta-opt-in":true,"user-error-reporting":true,"no-initial-intersection":true,"no-sync-xhr-in-ads":true,"doubleclickSraExp":false,"doubleclickSraReportExcludedBlock":false,"inabox-rov":true,"ampdoc-closest":false,"linker-form":true,"scroll-height-bounce":false,"scroll-height-minheight":false,"hidden-mutation-observer":true,"sandbox-ads":true},"sentinel":"0-25420037202096279598"}}” height=”600″ width=”300″ data-amp-3p-sentinel=”0-25420037202096279598″ allow=”sync-xhr ‘none’;” frameborder=”0″ allowfullscreen=”” allowtransparency=”” scrolling=”no” marginwidth=”0″ marginheight=”0″ sandbox=”allow-top-navigation-by-user-activation allow-popups-to-escape-sandbox allow-forms allow-modals allow-pointer-lock allow-popups allow-same-origin allow-scripts” class=”i-amphtml-fill-content” id=”google_ads_iframe_2″ style=”margin: auto; display: block; height: 600px; max-height: 100%; max-width: 100%; min-height: 0px; min-width: 0px; width: 300px; transform: translate(-50%, -50%); top: 0px; left: 0px; position: absolute; bottom: 0px; right: 0px; border-width: 0px !important; border-style: initial !important; padding: 0px !important;”>

A reportagem do jornal Folha de S Paulo destaca que “nas questões analisadas, os ministros decidiram por maioria a favor das empresas. O STJ é responsável pelos julgamentos contra planos de saúde. Até setembro deste ano, 9.292 processos sobre o tema foram julgados. Em 2017, foram 10.012 no total.”

E acrescenta: “segundo o anuário, que será lançado em 2019, planos de saúde já ocupam o segundo lugar nos temas com maior número de ações na 2ª Seção do STJ, responsável por definir a jurisprudência de direito privado no país —ficando atrás apenas de ações sobre contratos bancários.”


http://amp.brasil247.com/pt/247/brasil/378598

Sindicato dos Médicos do Piauí move ação judicial contra arbitrariedades do IASPI

Dizem as pessoas que é nobre o trabalho do médico, porque a sobrevivência de cada qual e a qualidade de vida pode depender dele. Atribui o legislador e a autoridade pesadas responsabilidades ao médico, porque ele lida com a vida, ” o bem mais precioso que há”. Contudo essas falas e declarações entram eram insolúvel contradição com a precariedade e a falta completa de respeito das instituições eram relação ato trabalho médico. Como nesse escândalo que ocorre no Piauí.

Aconteceu na manhã do último dia 23, na 1ª Vara da Fazenda Pública, uma audiência, na qual o Sindicato dos Médicos do Estado do Piauí – SIMEPI levou à justiça o IASPI, responsável pelo plano de saúde IAPEP/PLAMTA, por cometerem várias arbitrariedades, dentre elas: a exigência da obrigatoriedade de o médico constituir pessoa jurídica, glosas de procedimentos e consultas previamente autorizados, exigência do médico comprar o software do leitor biométrico por preços exorbitantes, que é de única responsabilidade do plano e a inexistência de contrato, quando não, obrigam os médicos a assinarem contratos de adesão, que são unilaterais e só asseguram direitos do plano”

http://180graus.com/saude/sindicato-dos-medicos-do-piaui-move-acao-judicial-contra-arbitrariedades-do-iaspi

DIA DO MÉDICO DATA PARA REFLETIR SOBRE MOBILIZAÇÃO E AÇÃO

No Dia dos Médicos, além de festejos e comemorações, devemos colocar uma reflexão sobre um assunto que tem excedido em importância e seriedade a muitos outros. Devemos falar da judicialização da saúde, que a par de seu pretexto de garantir um direito universal à saúde, “dever do Estado”, tem causado enormes dificuldades ao financiamento e à gestão da saúde pública e tem colocado a classe médica no olho do furacão.
Quando falamos de judicialização da Saúde, falamos de judicialização da vida, porque saúde é vida e não um fundamento burocrático ou algo que se decide por sentenças e decretos.
Sobre isso, vale reproduzir, para a reflexão de todos, o Editorial publicado no Estadão de ontem.
Ei-lo:
EDITORIAL ESTADÃO
Judicialização e política

Não se governa um país com o Judiciário, mas com a política, e o grande problema é que no Brasil de hoje as mudanças necessárias para que a política desempenhe seu papel não virão espontaneamente do Congresso Nacional

O Estado de S. Paulo

16 Outubro 2016 | 04h00

Não se governa um país com o Judiciário, mas com a política, e o grande problema é que no Brasil de hoje as mudanças necessárias para que a política desempenhe seu papel não virão espontaneamente do Congresso Nacional, porque, “compreensivelmente, as pessoas não mudam o sistema que as elegeu”. Assim, e isso é política, “a sociedade brasileira, mobilizada, é que deve cobrar as mudanças, começando pelo sistema de justiça, que é o fim do mundo”. Essa é a opinião do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso, manifestada em entrevista exclusiva ao Estado, concedida ao repórter Luiz Maklouf Carvalho e publicada na quarta-feira passada.
Quando um ministro da Suprema Corte admite que o sistema de Justiça no Brasil é “o fim do mundo”, é preciso refletir sobre o sentido de suas palavras. Barroso foi nomeado em junho de 2013 por Dilma Rousseff. Dias atrás, ao indeferir mandado de segurança impetrado pelo PT e pelo PCdoB para obter a suspensão de tramitação na Câmara da PEC do teto dos gastos públicos, Barroso afirmou que “o Congresso Nacional é a instância própria para os debates públicos acerca das escolhas políticas a serem feitas pelo Estado”. E enfatizou o princípio de que a disputa em torno de medidas propostas para debelar a crise que o País enfrenta “não é um a questão constitucional, mas política, a ser enfrentada com mobilização social e consciência cívica, e não com judicialização”.
O ministro Barroso não fecha os olhos aos graves problemas da Justiça no Brasil. É enfático ao reconhecê-los, quando perguntado sobre o que o impressiona na Operação Lava Jato: (O que me impressiona é) “nós termos construído um país em que um Direito Penal absolutamente ineficiente não funcionou, durante anos, como mínima prevenção geral para evitar um amplo espectro de criminalidade”. E acrescenta: “Porque não é um episódio, nem dois, nem três. Onde você destampa tem alguma coisa. Nós criamos uma delinquência generalizada no País. E com um contágio que ultrapassa tudo o que seria imaginável”.
Ele é incisivo quando trata da judicialização da política: “Por mais que o Judiciário consiga fazer bem o seu papel, não se governa um país com o Judiciário. É a política que precisa ser reformada”. É essencialmente à política que cabe, portanto, promover a reforma também do Judiciário, o que não impede que ao longo do tempo correções de curso sejam promovidas pelos próprios magistrados, como ocorreu recentemente com a decisão do STF de estabelecer que condenados em segunda instância podem começar a cumprir pena, independentemente do trânsito em julgado de seus processos na instância superior.
Ao colocar o dedo na ferida da “delinquência generalizada (…) que ultrapassa tudo o que seria imaginável”, o ministro Barroso implicitamente sugere um olhar retrospectivo sobre a política brasileira, o que leva à reiteração de uma conclusão óbvia a respeito da maneira como o PT governou o País nos últimos 13 anos. Não foram Lula e o PT que inventaram a “delinquência” na gestão da coisa pública. Essa é uma das características perversas da mentalidade patrimonialista de origem colonial que contamina desde sempre a política no Brasil.
Mas é igualmente indesmentível o fato de que o mesmo partido que chegou ao poder prometendo “passar o País a limpo” chegou também, muito rapidamente, à conclusão de que a adesão aos métodos políticos que passara a vida condenando era o caminho mais rápido e prático para a perpetuação de seu projeto de poder. Quem conta essa história tenebrosa de mensalões e petrolões que enriqueceram os principais figurões do lulopetismo é a crônica policial dos últimos dois anos e meio.
Tem razão o ministro Barroso: a Justiça precisa ser muito aperfeiçoada, mas não é ela que vai tirar o País do buraco. É a política. A boa política. O profilático episódio do impeachment de Dilma Rousseff o comprova. “Acho que logo ali na frente”, preconiza o ministro, “o País vai ter que passar por uma campanha incisiva de desjudicialização da vida.”

A classe médica deve ser chamada à maturidade política, já que aprendeu aprendeu a se mobilizar movida por acontecimentos adversos. Quando o governo de um partido que se dizia dos trabalhadores resolveu importar mão de obra para atuar na área médica sem a devida certificação, contratar essa mão de obra por uma operação de terceirização e negar aos médicos a reivindicação de um piso salarial nacional e de uma carreira de estado, notamos que havíamos sido traídos, que os governantes não tinham, na verdade, compromisso trabalhista. Para eles, como na “Revolução dos Bichos” de Orwell, uns são mais iguais do que os outros.
A maturidade política dos médicos deve levá-los a erguer a voz “por uma campanha incisiva de desjudicialização da vida.”

Criminoso invade posto de saúde e leva dentista de refém

Profissionais de saúde que trabalham em unidades públicas de saúde, além das responsabilidades próprias de cada profissão, agora estão mais expostos do que nunca à violência decorrente da criminalidade que se expande de forma assustadora nesse país.

Enquanto a mídia e as pessoas se preocupam com a horrível corrupção, roubos, furtos e assassinatos, sequestros e golpes, varrem o país e vitimam a cada dia mais trabalhadores.

http://www.alagoas24horas.com.br/981035/criminoso-invade-posto-de-saude-e-leva-dentista-de-refem/

Criminoso invade posto de saúde e leva dentista de refém

13/06/2016 15:06 Da redação, com Já é Notícia

Alagoas 24 Horas

Polícia Militar de Alagoas

Um criminoso invadiu, na tarde desta segunda-feira, 13, um posto de saúde do Povoado Lagoa do Algodão, zona rural da cidade de Craíbas, e levou uma dentista de refém.

A vítima, que teve o nome preservado, atendia a um paciente quando foi obrigada a ir com o criminoso, que estava com uma espingarda 12. Eles saíram do local no veículo da dentista, um veículo Hyundai HB20, de cor branca e momentos depois, a vítima foi liberada.

Após libertar a dentista, o criminoso,que usava uma camisa verde e calça jeans, seguiu com o carro em direção a cidade de Arapiraca.

A Polícia Militar foi acionada, realizou buscas nas imediações, mas até o momento não localizou o suspeito e nem o veículo. A vítima foi orientada a procurar à Central de Polícia Civil para confeccionar um Boletim de Ocorrências (BO).

Telegrama Sindical: Agentes penitenciários estão em alerta, diz sindicato após atentados

Agentes penitenciários estão em alerta, diz sindicato após atentados

Os servidores das penitenciárias brasileiras encontram-se sob grande risco. Além da periculosidade da profissão, agora correm o risco de serem emboscados fora de seu ambiente de serviço. É uma situação de estresse grave, nem sempre compensada pela remuneração, pelas condições e contratos de trabalho.

“Os agentes penitenciários do Rio Grande do Norte estão em alerta e temerosos”. A mensagem é do sindicato da categoria após os atentados registrados nos últimos dias. Na manhã desta segunda-feira (17), o carro em que estavam dois agentes foi alvo de tirosperto do Centro de Detenção Provisória Feminino de Parnamirim, na Grande Natal. Um deles ficou ferido na mão. O Sindasp/RN cita ainda outro caso ocorrido na noite do sábado (15), quando um agente penitenciário em Cajupiranga, também em Parnamirim.

A matéria completa está na página -> G1 – Agentes penitenciários estão em alerta, diz sindicato após atentados – notícias em Rio Grande do Norte

Telegrama Sindical: Agentes penitenciários estão em alerta, diz sindicato após atentados.

Sindicato Expresso: Relator da ONU ouve denúncias de agentes penitenciários em Sergipe

terça-feira, 11 de agosto de 2015

Relator da ONU ouve denúncias de agentes penitenciários em Sergipe

Relator de comissão da ONU que investiga situação de direitos humanos no Brasil, se reúne com representantes sindicais dos funcionários das penitenciárias para conhecer a situação dramática dos presídios brasileiros. O mundo deve saber que os presídios brasileiros são ruins para os que neles cumprem pena e ruins para os que neles trabalham. Não é rara a existência de contratos precários de trabalho e remuneração indigna para os servidores públicos que se sacrificam para que as leis do Estado brasileiro sejam cumpridas. 
Fonte:
G1 – Relator da ONU ouve denúncias de agentes penitenciários de Sergipe – notícias em Sergipe

Sindicato Expresso: Relator da ONU ouve denúncias de agentes penitenciários em Sergipe.

Super salários – desigualdade é uma vergonha no serviço público

” O advogado especialista em direito constitucional e administrativo, Hermeraldo Andrade, explica que existe uma polêmica de que algumas verbas, chamadas de vantagens pessoais, não somariam a esse teto. Contudo, ele defende que o “texto constitucional é claro e que esse é o argumento de quem tem interesse nesses salários exorbitantes”. Andrade lembra que muitos outros servidores públicos recebem rendimentos acima do teto, com base em liminares, o que, na sua opinião, não deveria acontecer. “É uma vergonha, é dinheiro público bancando esses absurdos, mas infelizmente a sociedade não se posiciona”, conclui. ”

http://congresso-em-foco.jusbrasil.com.br/politica/104137982/jornais-mais-de-3-mil-servidores-ganham-acima-do-teto-90-deles-no-congresso

Classe médica não deve se curvar diante da demagogia e do populismo

Fax Sindical
Data:03 de outubro de 2013.
De: Sindicato dos Médicos  Juiz de Fora e da Zona  Mata de Minas Gerais.
Assunto: Aviso sindical e Editorial.

Atenção!
Aos nossos leitores,
Solicitamos a gentileza de divulgar esse Fax Sindical por todos os meios possíveis. Entendemos que a classe médica brasileira passa por um momento de tribulações. Todas a mazelas e mesquinhez que alimentaram por décadas preconceitos e injustiças contra os médicos agora ganharam forma. Governo, mídia, judiciário mostram diante da classe médica em geral e de cada médico em particular uma atitude odiosa. Nossas entidades de classe são silenciadas e desconsideradas. Cada qual deve dar sua contribuição para o esclarecimento. A voz oprimida ecos nas catacumbas. O contraditório insiste. Se não aparecer como direito, que apareça enquanto História. Um dia a página do obscurantismo populista e demagogo será virada.

EDITORIAL

Sobre a auto estima dos médicos diante da hostilidade do poder

A classe médica sabe, pela maioria expressiva das pessoas que a compõem, que vive um momento inédito e difícil. Pela primeira vez vemos o governo federal, por meio do Ministério da Saúde e com a voz das bancadas que o apoiam no Congresso e o reforço dos blogs e da imprensa chapa-branca, lançarem-se em ofensiva orquestrada e poderosa contra os médicos do Brasil.

Pela sua força, inserção e inegável relevância social a classe médica não deve temer o ataque. Antes, deveria afrontá-lo. Médicos formam uma categoria profissional composta por 400 mil pessoas qualificadas e organizada em Conselhos Regionais e Federal de Medicina, em associações e sociedades profissionais que congregam profissionais de especialidades e áreas de atuação e se articulam na AMB, AssociacÃo Médica Brasileira. Além disso coexistem milhares de cooperativas médicas (de trabalho, de crédito e de consumo), que são experiências bem sucedidas e existem as dezenas de sindicatos, federações e associações profissionais que se articulam na FENAM, FederaÇÃo Nacional dos Médicos. Trata-se de uma estrutura antiga, vasta, eleita democraticamente e superior em número e organização à da maioria dos partidos políticos em atividade (embora sejam instituições de propósitos diversos, mas o comparativo é útil para entender a força da organização da categoria).

Muitas sociedades médicas nasceram no tempo do império e passaram do império à república, ultrapassando ditaduras, perseguições, preconceitos e diferentes regimes, constituições e estatutos jurídicos. A Medicina, cuja antiguidade se perde na noite dos tempos, supera tempestades e lutas.

Causa estranheza a essa geração ver o Ministro da Saúde, Alexandre Padilha, o “poste” de plantão empoderado por Lula, que sonha fazê-lo donatário de São Paulo, arrebanhar forças chapa-branca para assaltar a Medicina brasileira. Provas da afronta? Aí está o inegável sucateamento dos sistema público de saúde, o veto à regulamentação da Medicina (o ato médico), a sonegação dos concursos públicos, o estelionato eleitoreiro do “Mais Médicos”, a perseguição da AGU e de setores do JudiciÁrio contra a classe médica. Provas são todos e cada uma das testemunhas desses atentados. Aí está o discurso chapa-branca orquestrado, marqueteiro e midiático que aposta no achincalhamento da Medicina brasileira, atacado-a vergonhosamente em toda a frente, enquanto prática e trabalho, enquanto ciência, pesquisa e ensino e enquanto parte honesta e laboriosa da sociedade.

Nada há a temer, exceto se houver inaptidão massiva dos médicos brasileiros e das organizações que os congregam para entender o momento político e o tamanho do desafio. A única força que pode nos tornar fortes é a da união. O momento político expôs, com meridiana clareza, os inimigos políticos, confessos e inconfessos dos médicos.Percebemos seu poder e sua influência. Devemos também perceber os nossos. Nossa pior derrota será perder a vontade de lutar.

AVISOS SINDICAIS

Médicos de Juiz de Fora.

Dia 7 de outubro, segunda-feira, 17:30, audiência pública na Câmara Municipal. Assunto – a crise no SUA de Juiz de Fora. Divulgue e compareça. A audiência foi convocada pelo vereador Dr. Antônio  Aguiar (PMDB MG).

Dia 15 de outubro, terça-feira, na Sociedade de Medicina, assembléia geral dos médicos do SUS. Em pauta a relação com a prefeitura e a ingerência do Ministério Público Estadual na gestão e em direitos trabalhistas dois médicos municipais. A hora de reagir é agora. Depois podemos não ter mais voz.

Mais Médicos – A força de uma ilusão

A força de uma ilusão.

Recente pesquisa, sob patrocínio da CNT, alegrou o Ministério da Saúde ao apontar que mais de 70% dos entrevistados apoiaram a iniciativa governista da bolsa “Mais Médicos”. Não sabemos se os entrevistados foram devidamente informados de que essa iniciativa do governo substitui o contrato regular de trabalho por uma bolsa de três anos de duração e que os bolsistas contratados dessa forma foram dispensados de fazer prova de revalidação de diplomas, onde deveriam mostrar seus conhecimentos. A CNT é entidade ligada ao conhecido Senador mineiro Clésio Andrade. Esse senador pede verba ao Ministério dirigido por Alexandre Padilha para o Hospital e Maternidade Terezinha de Jesus em Juiz de Fora, conforme nos informa a coluna “Painel” do jornal Tribuna de Minas, de Juiz de Fora.

“O senador Clésio Andrade
encaminhou correspondência ao
ministro da Saúde, Alexandre
Padilha, pleiteando a liberação
urgente de recursos da ordem de
R$ 270 mil para aquisição de
equipamentos para o Hospital
Maternidade Therezinha de Jesus.
Ele aponta a necessidade de
instalações essenciais de pronto
atendimento médico e atenção
básica de saúde para o hospital
que atende não apenas Juiz de
Fora mas também pacientes da
Zona da Mata. Sem os recursos, a
região perde, sobretudo no
atendimento de urgência de
especialidades que carecem de
investimentos.”

http://www.tribunademinas.com.br/painel/painel-1.1350649

A pesquisa, a propaganda institucional e a atitude de grande parte da mídia foram decisivas nessa manobra que impôs às entidades que representam a classe médica a “espiral do silêncio” diante do governo.

Matéria no Globo online (24/09/2013) revela que o jornal adota uma abordagem negativa em relação aos Conselhos Regionais de Medicina. Matéria da Folha, no mesmo dia, destacava que o Ministério da Saúde havia admitido falha (ainda que sorrateiramente) no envio da documentação necessária para tais registros (confira em http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidiano/130654-sem-registro-cubanos-tem-agenda-social.shtml ).

O mesmo jornal Globo, na sua versão on-line, há uma outra matéria na qual o CFM foi ouvido (http://moglobo.globo.com/integra.asp?txtUrl=/pais/crms-concederam-13-dos-registros-solicitados-estrangeiros-10110775 ). Mas não destaca as falhas do Ministério da Saúde no processo.

Excluídos de qualquer negociação democrática, os representantes legitimamente eleitos da classe médica foram coagidos a uma submissão constrangedora por ações coordenadas de natureza jurídica, administrativa e de propaganda.

O povo ainda não percebeu o verdadeiro alcance das medidas governistas na saúde. Logo notará que os hospitais não chegaram ao padrão Fifa. Continuarão sucateados e sem leitos, que os pronto socorros continuarão deficitários e lotados, que continua difícil o acesso a cirurgias, exames e internações. Não se pode enganar a todos por todo o tempo.

http://moglobo.globo.com/integra.asp?txtUrl=/pais/no-dia-da-estreia-medicos-estrangeiros-sao-impedidos-de-atender-populacao-em-todo-pais-10095161

Comissão de Educação do Senado aprova regulamentação da Medicina

No dia 12 de dezembro, o projeto que regulamenta (finalmente) a Medicina no Brasil foi aprovado na Comissão de Educação do Senado. Previamente foi realizada uma audiência pública (mais uma!) sobre o tema. Essa audiência pública foi conjunta para as comissões de Educação e Assuntos Sociais. A Comissão de Assuntos Sociais será a próxima a (re)examinar a questão. A aprovação se deu pelo voto unânime dos parlamentares daquela comissão.

Foi mais uma vitória importante nessa guerra prolongada que se trava por uma questão tão elementar: a regulamentação da Medicina. O projeto ja fez dez anos de tramitação no Congresso Nacional.

Um a um os argumentos opositores à tese vão caindo. Na Comissão de Educação apareceram opositores da regulamentação que não compreendiam que a formação especifica dos futuros médicos devesse ser realizada por profissionais da Medicina.

Os médicos não são deuses. São trabalhadores que, como as outras classes, necessitam ter seus direitos e seu trabalho respeitados. São trabalhadores que não têm privilégios, favorecimentos ou vantagens especiais adquiridas só com o fato de serem médicos. São trabalhadores que pagam contas e impostos e necessitam do reconhecimento moral e material de seu trabalho.

Os médicos são mão de obra altamente qualificada. Os cursos de Medicina duram seis anos em dois turnos. Muitos cursos superiores têm duração de 4 ou5 anos em um único turno. Se tivessem o mesmo formato de um curso de Medicina durariam 12 ou 13 anos. E a formação médica não para aí. São mais três anos de residência médica ou especialização, com cursos teóricos, treinamento, estágios e plantões. Não existe negação para o fato de médicos serem mão de obra altamente qualificada.

Quanto ao argumento de que a regulamentação da Medicina cria uma hierarquia entre as profissões, colocando no topo, naturalmente, a Medicina, é inteiramente falso. A regulamentação da Medicina não afeta nenhuma profissão regulamentada e nem a organização profissional de qualquer outra. São profissões ja estabelecidas e que devem ser respeitadas nos limites próprios de seu exercício tal como já é feito. A maior prova da falsidade desse argumento está na leitura do texto do próprio projeto.

De vitória em vitória, vai avançando a luta profissional digna dos médicos que reivindicam a regulamentação da profissão que exercem, profissão antiga e honrada, que teve em seu número figuras exponenciais da Ciência, da Política, da filantropia, das letras, das artes e dos negócios.

“O substitutivo da Câmara ao Projeto de Lei do Senado (PLS) 268/02, que regulamenta o exercício da medicina e estabelece quais são as atividades privativas dos médicos, obteve nesta quarta-feira (12) parecer favorável da Comissão de Educação, Cultura e Esporte (CE). O texto será ainda submetido à Comissão de Assuntos Sociais (CAS) para, em seguida, chegar finalmente ao Plenário.

A aprovação ocorreu por unanimidade, após a realização de uma audiência pública conjunta sobre o tema, promovida pela CE e pela CAS, quando foram ouvidos representantes dos Ministérios da Saúde e da Educação e do Conselho Nacional de Educação.

Antes da votação, a senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) sugeriu a formação de uma mesa de negociação, para buscar um consenso entre médicos e outros profissionais de saúde, que temem ver suas atividades cerceadas pelas normas contidas no projeto. A senadora Ana Amélia (PP-RS), que presidia a reunião, lembrou que o texto voltará a ser debatido na CAS, antes da decisão final do Plenário.

As principais divergências em torno do texto referem-se ao artigo quarto, onde estão definidas as atribuições exclusivas dos médicos. Mas o projeto foi submetido à CE, antes de seguir para a CAS, por tratar do tema da formação profissional. Segundo o substitutivo, são privativos dos médicos o ensino de disciplinas especificamente médicas e a coordenação dos cursos de graduação em medicina, dos programas de residência médica e dos cursos de pós-graduação específicos para médicos.

O relator da matéria na CE, senador Cássio Cunha (PSDB-PB), optou por manter o texto já aprovado anteriormente pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ). Em sua opinião, a redação acatada pela CCJ é a que “melhor atende às demandas das outras categorias profissionais interessadas no projeto de regulamentação da medicina”.

Os 14 itens do artigo quarto do texto aprovado definem quais são as atividades privativas dos médicos. Entre elas, a formulação de diagnóstico nosológico e a respectiva prescrição terapêutica; a indicação e execução de intervenção cirúrgica e prescrição de cuidados médicos pré e pós-operatórios; a indicação da execução e execução de procedimentos invasivos; e a execução de sedação profunda, bloqueios anestésicos e anestesia geral.

Audiência

A última audiência sobre o projeto antes da votação ocorreu em uma reunião conjunta da CE e da CAS, encerrada minutos antes da realização da reunião da CE durante a qual a matéria foi colocada em votação.

Durante a audiência, a coordenadora geral do Departamento de Gestão e da Regulação do Trabalho em Saúde, do Ministério da Saúde, Miraci Mendes, elogiou o substitutivo em debate, mas observou que ainda existiam resistências a alguns pontos da proposta por parte de conselhos profissionais ligados à área da saúde. Para ela, “seria fundamental continuar o diálogo”, a fim de se alcançar um acordo entre todos os profissionais da área de saúde.

O secretário de Educação Superior do Ministério da Educação, Amaro Henrique Lins, considerou importante a aprovação de um projeto que defina as atribuições dos médicos, mas lembrou que cabe ao profissional médico “trabalhar de forma harmoniosa em equipe”. Por sua vez, o representante do Conselho Nacional de Educação, Luis Roberto Liza Curi, ressaltou a necessidade de flexibilização da formação dos profissionais de saúde, levando em conta a interdisciplinaridade.

Durante o debate, o senador Cristovam Buarque (PDT-DF) disse que a disputa entre os diversos profissionais da área de saúde em torno do projeto era a “prova mais cabal da crise da saúde brasileira”. Vanessa Grazziotin pediu que se ampliasse o diálogo a respeito do tema, uma vez que as divergências limitavam-se a poucos pontos, como o dispositivo que considera o diagnóstico nosológico atribuição dos médicos.

O senador Cyro Miranda (PSDB-GO) recordou que o tema vem sendo debatido há mais de 10 anos no Congresso Nacional.  Da mesma forma, o senador Paulo Davim (PV-RN) considerou falsa a ideia de que existiria uma “guerra santa” entre os diversos profissionais de saúde. O senador Waldemir Moka (PMDB-MS) pediu aos críticos da proposta para que apontassem, com objetividade, onde estaria no projeto o impedimento do exercício de outras profissões.”

A agência Senado publicou a matéria na página abaixo, onde pode ser conferida na integra.
http://www12.senado.gov.br/noticias/materias/2012/12/12/comissao-de-educacao-aprova-projeto-do-ato-medico